Bié: Mais de oitocentos jovens iniciam formação socioprofissional

Bié: INEFOPE dá inicio a formação de jovens (Foto: Angop)

Oitocentos e cinco jovens iniciaram nesta, quinta-feira, mais um ciclo de formação sócio-profissional, na província do Bié, numa cerimónia de abertura presidida pelo vice-governador para esfera política e social no Bié, Carlos Ulombe da Silva.

Na ocasião, o responsável considerou a formação profissional como um pressuposto de educação e de vera importância, porquanto facilita a obtenção do emprego directo aos jovens formados e consequentemente o fomento do auto – emprego.

Confessou que a formação apresenta-se como uma prioridade do governo, na perspectiva do desenvolvimento do país, daí que a escola e os centros de formação sócio-profissionais são espaços de formação do homem novo, onde se constrói pressupostos essenciais para o desenvolvimento da sociedade.

Para o vice-governado, a formação profissional habilita o jovem a uma profissão que pode ser útil não só para sustentabilidade da pessoa, mais também para o desenvolver diferentes domínios da vida técnica, social e profissional da província.

O governo da província tem trabalhado na necessidade de reforçar as condições de trabalho nos centros de formação, visando propiciar uma instrução de qualidade, assim como melhorar a qualidade de vida dos funcionários.

A formação profissional, no entender do responsável, beneficia essencialmente aqueles jovens que queiram firmar-se no mercado de emprego e no empreendedorismo, por isso, estão disponíveis cursos como informática, electricidade, canalização, carpintaria, alvenaria, corte-costura e culinária.

A formação vai decorrer nos pavilhões dos municípios de Camacupa, Andulo, Cunje, centro móvel do município da Nharêa, assim como no centro de formação do Cuito. A província do Bié, possui apenas 36 formadores.

No ano passado, mais de mil jovens foram formados nas especialidades de informática, electricidade, canalização, carpintaria, alvenaria, corte-costura e culinária, respectivamente, nos variados centros de artes e ofícios existentes na província. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA