Bié: Líder provincial do MPLA apela à confiança nas instituições do Estado apesar da crise

Bié: Álvaro Manuel de Boavida Neto - Primeiro secretário do MPLA (Foto: Jilmar Enoque)

O primeiro secretário do MPLA no Bié, Álvaro Manuel de Boavida Neto afirmou sábado, na cidade do Cuito, que a actual crise financeira e económica que o país atravessa, fruto da queda do preço do petróleo no mercado mundial, não deve ser motivo para desacreditar das instituições públicas, tendo solicitado empenho da população para reverter a problemática.

Exprimindo-se durante a XVI reunião ordinária do MPLA no Bié, o partidário sublinhou que, Angola atravessa um momento menos bom do ponto de vista da sua economia face a queda do preço do barril do petróleo no mercado internacional, levando a escassez de divisas no país.

No entender do político, a crise económica e financeira constitui uma realidade e necessita de uma nova consciência, sentido de responsabilidade e responsabilização, por isso, acrescentou às populações são chamadas a não ter desespero nem tão pouco desacreditar das instituições do Estado.

Para a saída rápida da crise, disse Boavida Neto, o Governo angolano a aposta na diversificação da economia nacional, com o incremento da produção interna, tendo instado as iniciativas privadas nas pequenas, médias e grandes empresas, mormente assente na recuperação da economia e fomento do emprego.

A participação do sector privado na economia nacional, segundo o dirigente, vai permitir que o Estado possa arrecadar mais receitas por via de impostos, dinheiro que será investido na construção de infra-estruturas socioeconómicas para a consequente melhoria dos bens e serviços às populações.

Os membros do comité provincial do MPLA na província do Bié, reunidos na sua XVI sessão ordinária, estão balancear o grau de cumprimento do cronograma de actividades do partido referente ao período de Dezembro de 2015 a Março deste ano.

Realização das assembleias de balanço e renovação de mandatos nos Comités de Acção do Partido, apreciação das datas indicativas e composição das conferências comunais, municipais e provincial, apreciação da composição numérica dos órgãos intermédios, apreciação dos princípios e as quotas aplicáveis na indicação de candidatos para a continuidade e para renovação, fazem parte da agenda de trabalhos.

A discussão e aprovação do relatório da comissão executiva a XVI reunião ordinária do MPLA, a proposta sobre o local de realização da XI conferência provincial de balanço e a renovação de mandatos, a apreciação das propostas de ajustamentos a introduzir nos estatutos do MPLA, constam igualmente dos debates. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA