Atentados de Paris: Abdeslam colabora com justiça belga mas recusa extradição

(EURONEWS)

Advogado do suspeito confirma acusação formal, ordem de prisão e adianta rejeição da extradição exigida pela França. A INTERPOL recomenda reforço de controlos fronteiriços.

Salah Abdeslam saiu do hospital este sábado de manhã, depois de ter sido ferido na operação policial que conduziu à sua captura. O principal suspeito pelos atentados de Paris, a 13 de novembro, terá sido presente, por volta do meio-dia e meia, a um juiz de instrução belga.

Sven Mary, o advogado do suspeito, já falou aos meios de comunicação, confirmou a acusação formal contra Abdeslam e a ordem de prisão decretada pelo juiz, mas, através da televisão iTele, deixou um aviso para Paris: “Posso anunciar que vamos recusar a extradição para França.”

Salah Abdeslam nasceu na Bélgica, mas naturalizou-se francês. A França já iniciou os procedimentos para conseguir a extradição do suspeito e leva-lo a responder perante a justiça francesa. A decisão está agora do lado das autoridades belgas. Paris deposita grandes esperanças no testemunho do alegado terrorista para poder clarificar tudo sobre os ataques que a 13 de novembro que mataram 130 pessoas na capital francesa.

Os jornais franceses deram natural destaque, este sábado, à captura de Salah Abdeslam. Com o principal suspeito foi também detido um alegado cúmplice identificado como Amine Choukri e três outras pessoas, que serão familiares e terão ajudado o alegado terrorista a manter-se escondido em Molenbeek, o bairro em Bruxelas, na Bélgica, onde o suspeito nasceu e cresceu.

A intervenção policial que conduziu à captura de Salah Abdeslam decorreu sexta-feira à tarde. Começou por volta das 16 horas, hora local, e em cerca de 50 minutos o principal suspeito já estaria à guarda das autoridades, com um ferimento numa perna na sequência da operação.

Durante a intervenção, uma cooperação das polícias francesa e belgas, ouviram-se várias trocas de tiros e pelo menos duas explosões. A operação foi dada por concluída pelas 20h30, a mesma hora a que o primeiro-ministro belga, Charles Michel, e o presidente de França, François Hollande, davam uma conferência de imprensa a confirmar a detenção de Salah Abdeslam.

INTERPOL recomenda controlo melhorado nas fronteiras.

Na sequência da detenção do principal suspeito dos atentados de Paris, a INTERPOL recomendou aos 190 Estados membro desta força policial internacional a “melhoria da vigilância fronteiriça” por considerar que “a captura de Abdeslam pode encorajar cúmplices a tentar fugir da Europa ou de outros locais.”

A INTERPOL alerta sobretudo para a melhoria dos controlos tendo por base a base de dados de documentos roubados ou dados como perdidos (SLTD, sigla inglesa pela qual é conhecido este arquivo da Interpol). A base de dados tem, a este momento, informação de cerca de 250.000 passaportes sírios e iraquianos roubados ou dados como desaparecidos.

A força de segurança informou ainda possuir uma base de dados de combatentes terroristas internacionais contendo informação de cerca de 6000 indivíduos providenciada por cerca de 50 países. “A Bélgica deve ser congratulada pela prisão de Salah Abdeslam, mas esta é apenas uma peça de um puzle bem maior”, avisou Jurgen Stock, Secretário-geral da INTERPOL. (EURONEWS)

por Francisco Marques | com AFP

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA