Angola na segunda posição no comércio com a China

China/Beijing- Encontro empresarial entre homens de negócios de Angola e da China (Foto: Francisco Bernardo/arquivo)

Angola surge em segundo lugar no comércio entre a China e países de língua portuguesa, com negócios, realizado durante o ano de 2015, que atingiram os 19 705 milhões de dólares (-46,84%).

Segundo a Embaixada de Angola na China, numa nota a que a Angop teve acesso, o referido valor resultou de vendas chinesas no montante de 3 722 milhões de dólares (-37,71%) e importações que atingiram 15 983 milhões dólares (-48,60%).

As únicas variações positivas no valor das trocas comerciais ocorreram com Timor-Leste (106,67 milhões de dólares ou +76,48%) e São Tomé e Príncipe (7,9 milhões de dólares ou +37,99%).

O documento refere que as trocas com o Brasil, o principal parceiro comercial da China em termos mundiais, caíram 17,37% para 71 808 milhões de dólares, com a China a vender ao Brasil bens no valor de 27 482 milhões de dólares (-21,47%) e a comprar mercadorias cujo valor ascendeu a 44 380 milhões de dólares (-14,61%).

O comércio da China com Portugal registou uma contracção de 8,99% para 4370 milhões de dólares, valor que reúne exportações chinesas para Portugal no montante de 2898 milhões de dólares (-7,61%) e importações de produtos portugueses no montante de 1471 milhões de dólares (-11.59%).

Quanto a Moçambique, as trocas comerciais caíram 33,95% para 2393 milhões de dólares, tendo a China vendido ao país do Índico (Moçambique) produtos no valor de 1941 milhões de dólares (-1,47%) e comprado bens que ascenderam a 451 milhões de dólares (-72,66%).

Com os restantes países de língua portuguesa (Cabo Verde, Guiné-Bissau, Timor-Leste e São Tomé e Príncipe) as trocas comerciais com a China cifraram-se em 196 milhões de dólares.

Em Dezembro de 2015, prossegue a nota da Embaixada de Angola, o comércio entre a China e os países de língua portuguesa atingiu 7 573 milhões de dólares (+12,66%).

O montante resulta de exportações chineses no valor de 2770 milhões de dólares (+22,12%) e importações na ordem de 4802 milhões de dólares (+7,85%). (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA