Zaire: Auto-estrada Nzeto-Soyo concluída em 2017

LIU YAWMING-DIRECTOR-GERAL DA SINOHIDRO P4 EM ANGOLA (Foto: Pedro Moniz Vidal)

O mês de Junho de 2017 é a data avançada nesta sexta-feira, pela empresa de construção civil chinesa ” Sinohidro” para a conclusão das obras de construção da auto-estrada que ligará a sede municipal do Nzeto à cidade do Soyo, província do Zaire, numa extensão de 96 quilómetros.

A informação foi avançada à imprensa pelo director-geral da Sinohidro P-4 em Angola, Liu Yawming, por ocasião da visita de constatação efectuada pelo governador provincial do Zaire, José Joanes André, às obras em curso na comuna de Kinzau, município do Tomboco.

O gestor chinês explicou que o impasse financeiro que impedia o avanço dos trabalhos foi superado na sua totalidade, devendo as obras ser retomadas de forma ininterrupta nos próximos tempos face a garantia de financiamento através da nova linha de crédito concedida pelo seu país à Angola.

Para o responsável do país asiático, cinco frentes de intervenção foram criadas ao longo do trajecto, frisando que neste momento decorrem os trabalhos de terraplenagem que deverão ser concluídos até final de 2016.

Explicou que as duas épocas secas referentes ao presente ano e de 2017 serão maximizadas para o início do asfaltamento da via, por considerar difícil trabalhar no período de chuvas que caem com muita intensidade na região.

Garantiu que, enquanto durarem as obras, que deverão envolver um universo de mil operários de vários níveis, a sua empresa vai garantir a manutenção da estrada alternativa, com vista a facilitar a circulação de pessoas e seus bens neste itinerário.

Por sua vez, o director provincial do Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA), Manuel Diangani, fez saber que foram construídas oito pontes duplas ao longo do troço e 72 passagens hidráulicas, das 130 previstas.

As obras neste trajecto retomam após cerca de oito anos de interrupção, período durante o qual as intervenções incidiram na construção de pontes, passagens hidráulicas, entre outras redes técnicas. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA