Vitória de Rohani e aliados nas eleições iranianas

O presidente Hassan Rohani: votação foi interpretada por muitos meios iranianos como um referendo de sua gestão (REUTERS)

Presidente e seus apoiantes aumentam presença em corpo clerical que elege líder supremo do país, em revés para linha-dura do regime. Pleito era visto como voto de confiança para a política de distensão com Ocidente.

O presidente Hassan Rohani e seus aliados conquistaram, segundo resultados divulgados nesta segunda-feira (29/02), 15 dos 16 assentos da circunscrição de Teerão no chamado Conselho de Especialistas – poderoso corpo clerical que define, entre outras coisas, o líder supremo do país.

De acordo com os resultados finais, os conservadores podem perder o domínio sobre o órgão de 88 membros. O ex-presidente Hashemi Rafsanjani, hoje principal nome dos reformistas, foi o candidato mais votado de todo o país, com 2.301.492 votos, quase um milhão a mais que o primeiro classificado dos conservadores, Ahmad Janati, menos votado entre os 16 representantes de Teerão.

Rohani obteve 2.238.166 votos e o terceiro lugar por Teerão, em uma votação que foi interpretada por muitos meios de imprensa iranianos como um referendo da sua gestão. Os dois principais representantes da linha-dura do regime, os Ayatolás Mohammad Yazdi e Mohammad Taghi Mesbah-Yazdi, perderam seus assentos no Conselho de Especialistas.

Os aliados de Rohani também devem ficar com todos os 30 assentos de Teerão no Parlamento, de acordo com os resultados preliminares. Mas os ganhos fora da capital foram mais limitados, e os conservadores mantiveram muitas de suas vagas nos dois órgãos.

As eleições de sexta-feira foram as primeiras desde que Rohani assinou um acordo com potências mundiais no ano passado para limitar as actividades nucleares do Irão em troca de uma redução de sanções económicas. As votações foram vistas por analistas como um possível ponto de virada para o Irão e um voto de confiança no governo de Rohani e em sua política de distensão com o Ocidente.

Novo líder supremo

No Irão não existe um sistema partidário no sentido ocidental. Em vez disso, há diferentes grupos que podem ser divididos em três grandes correntes ideológicas: conservadores, reformistas e linhas-duras.

Os conservadores se atêm aos valores da revolução e são absolutamente fiéis ao regime dos Ayatolás. No entanto, a ala mais moderada da facção está aberta para controladas relações com o Ocidente e reformas internas limitadas. Por outro lado, os ultra-conservadores estão mais próximos dos linhas-duras.

Os linhas-duras vêem no Ocidente o inimigo imperialista e defendem uma sociedade puramente islâmica, longe de todas as influências ocidentais.

Os reformistas, por outro lado, almejam boas relações diplomáticas e económicas com o Ocidente. Eles também exigem mais liberdades sociais, culturais e de política interna.

O Conselho de Especialistas não só monitoriza o trabalho do líder supremo revolucionário, mas também pode, teoricamente, removê-lo do cargo em caso de doença ou desrespeito de seus deveres. Ele tem a tarefa, no caso de morte, de escolher um sucessor – de forma vitalícia. O Conselho de Especialistas é eleito a cada oito anos.

O actual líder revolucionário, Ayatolá Ali Khamenei, já está com 76 anos. Além disso, persistem os rumores de um câncer avançado. Por isso é bem possível que o novo Conselho de Especialistas também venha a decidir sobre a renovação do mais importante cargo da República Islâmica. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA