UNITA desmente rendição de seus militantes ao MPLA no Bailundo

(UNITA)

O Secretariado Municipal da UNITA, no Bailundo desmentiu informações postas a circular a semana passada, dando conta de que membros seus teriam passado para as fileiras do partido no poder, o MPLA.

“É pura mentira, porque os órgãos de comunicação social que ajudam o MPLA, não mostram as imagens das referidas pessoas” lê-se na página UNITA Bailundo do facebook.

Mais adiante o Secretariado da UNITA no Bailundo afirma que naquela localidade, o partido no poder está representado “apenas por um pequeno núcleo”.

“Para conseguir realizar o acto de massa de Sua Excelência Vice-Presidente, Roberto de Almeida tiveram que pedir apoio aos municípios da Nhareia, Andulo e Calussinga, na vizinha província do Bié, e aos municípios Mungo, Londuimbale e Cachiungo”, acrescenta a publicação, denunciando, ainda que, localmente “exigiram os alunos e os funcionários públicos a participarem no acto de massa, não tendo o efectivo concentrado passado das aproximadamente 2.500 (duas mil e quinhentas pessoas)”.

A publicação da UNITA no Bailundo faz ainda saber que insatisfeitos a presença das populações, as forças da ordem envolveram-se em detenções de pessoas inocentes que foram levadas ao local do comício para ouvir a mensagem da crise que assola o país.

“A coisa mais importante que o MPLA herdou do comunismo, é a propaganda.

O que os dirigentes do MPLA no Bailundo fizeram, é uma falta de respeito, mentiram ao seu Vice-Presidente, Senhor Roberto de Almeida, a Senhora Luzia Inglês “Inga”, Secretária-geral da OMA e ao Senhor Sérgio Luther Rescover, 1º Secretário da JMPLA”, sublinha a nota.

O MPLA, tinha a pena uma senhora bêbada por apresentar. É natural e residente na comuna de Luvemba, no Sector de Jangu, abandonada pelo marido por práticas de difícil convivência. Nunca foi da Liga da Mulher angolana- LIMA. Ela é a secretária da promaica da Igreja católica no Janju”, concluiu a publicação da UNITA no Bailundo, avançando que a UNITA não se rende, trabalha para uma vitória esmagadora nas eleições de 2017.

(nota de imprensa enviada à nossa redacção com pedido de publicação)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA