Timor-Leste continua a oferecer vantagens fiscais e outras aos investidores

Timor-Leste continua a oferecer vantagens fiscais e outros incentivos a quem quiser investir no país Foto: Lusa/D.R

Timor-Leste continua a oferecer vantagens fiscais e outros incentivos a quem queira investir no país e está a trabalhar para colmatar as deficiências que ainda existem em termos legislativos e outros, disse o ministro do Comércio.

Constâncio Pinto, que acumula ainda as postas da Industria e Ambiente, falava numa conferência de imprensa de apresentação da 2ª reunião dos Ministros do Comércio da CPLP e do 1º Fórum Económico da CPLP, que decorrem na próxima semana em Díli.

“Vamos mostrar aos empresários que Timor-Leste é um pais estável, com condições para investir. A nossa lei de investimento oferece vários incentivos relativamente à isenção de taxas e outros”, disse.

“Peço aos investidores que nos venham conhecer, que conheçam os nossos incentivos que são muito positivos”, disse, referindo que os encontros da próxima semana permitirão conhecer as oportunidades que Timor-Leste oferece.

Ao mesmo tempo, recordou, o país está localizado entre a Austrália e a Indonésia, dois “mercados muito grandes que podem ser explorados pelos investidores estrangeiros” a partir da plataforma de Timor-Leste.

Como exemplo, recordou a construção este ano de uma unidade de fabrico de cimento que será para fornecer o mercado australiano.

“Timor-Leste está situado numa região economicamente muito ativa e pode ser a porta de entrada ou ponte de ligação entre os países da CPLP e o mercado da Ásia e Pacífico”, disse.

Zacarias da Costa, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e presidente da comissão organizadora do 1º Fórum Económico da CPLP, destacou o interesse que o encontro está a gerar com mais de 400 empresas registadas.

Na mesma conferência de imprensa sublinhou o facto das empresas registadas serem de áreas muito diversas e de haver uma “grande vontade de fazer negócios, de fazer parcerias” e de procurar contactos e oportunidades.

Até ao momento a comissão já recebeu mais de 300 pedidos de encontros empresa a empresa, um dos componentes principais do Fórum de Díli, que decorre entre 25 e 27 de fevereiro, logo depois da reunião dos ministros da CPLP, que começa na segunda-feira.

“Timor-Leste acolhe a bandeira de negócios do mundo, como plataforma, como rampa de lançamento para esta região, de grande crescimento económico, de grande dinamismo”, disse.

“Por isso, apelo à mobilização de empresários timorenses a que participem. Esta é uma grande oportunidade para fazer negócios. É a primeira vez que Timor acolhe um evento desta dimensão, com tantas empresas da CPLP e da ASEAN e os empresários timorenses devem aproveitar”, disse.

Mensagem ecoada mais tarde num debate promovido pela televisão de Timor-Leste e em que participou o ministro de Estado e Coordenador dos Assuntos Económicos, Estanislau da Silva, que reiterou a importância dos encontros da próxima semana e Jorge Serrano, empresário timorense e presidente de honra da Confederação Empresarial da CPLP.

“Esta é uma oportunidade para o setor privado timorense se mostrar, estabelecer importantes contactos e procurar oportunidades. Devem participar o máximo neste encontro”, disse.

Delegações de cerca de duas dezenas de países, entre os quais os estados membros da CPLP e nações da Ásia e Pacífico estão inscritas no fórum, que contará com uma zona de exposição com mais de 30 ‘stands’ nacionais, empresariais e institucionais. (Agência Lusa – ASP/JPS)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA