Responsável considera o documentário “Encontro de gerações” uma relíquia

Director nacional para acção cultural, Carlos Vieira Lopes (Foto: Nelson Malamba)

O director nacional da Acção Cultural do ministério da Cultura, Vieira Lopes, considerou quarta-feira, o documentário “Encontro de gerações”, que retrata o lançamento de 20 duetos com a participação de 40 artistas da nova e antiga geração, uma relíquia pela sua forma de eternizar e preservar a música nacional.

Em declarações à imprensa, em representação a ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, a propósito da apresentação do documentário, um projecto musical lançado pela Unitel para assinalar os 40 anos de independência nacional, o responsável destacou a importância de ponto vista da perpetuação e eternização da música angolana, realçando que iniciativas como essas devem ser seguidas por outras entidades.

Para o responsável, é um projecto ambicioso e que ser parabenizado e incentivado, pois constitiu um documento de grande importância, que vai servir de testemunho para as próximas gerações, referindo ser preciso que acções do género sejam realizadas por outras empresas, como forma servir como um legado à cultura nacional.

“Devo parabenizar a iniciativa da Unitel, por ter criado este projecto ambicioso que vai servir de documento para que as futuras gerações possam conhecer com maior propriedade um dos aspectos da nossa cultura, em particular a música, bem haja a iniciativa“, destacou o responsável.

O documentário “Encontro de gerações“, com 45 minutos de duração, teve como objectivo mostrar o processo de realização do projecto e incidiu sobre três componentes: produção de um álbum inédito, uma mistura de gerações e shows em Benguela, Huíla e Luanda.

O álbum inédito agrupa 20 duetos de 40 dos melhores artistas angolanos, de várias gerações, da velha guarda como Calabeto, Dina Santos, Jacinto Tchipa, Filipe Mukenga, Carlos Burity e Don Caetano, enquanto que da nova geração participou do projecto Matias Damásio, Totó, As Gingas, Anselmo Ralph, Big Nelo, Ary e Gaby Moi. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA