Presidenciais dos EUA: O que é a “Súper Terça-feira”?

(EURONEWS)

Esta terça-feira, é especial para os Estados Unidos. Em particular, para a política da maior economia do Mundo. Este 1 de março é o primeiro grande dia da pré-corrida à Casa Branca. Os partidos Democrata e Republicano têm pela frente um dos dias mais importantes do ano. Aqui pode começar a ficar bem definido quem irá representar as duas forças políticas na corrida à sucessão de Barack Obama. Para já, Hillary Clinton e Donald Trump, respetivamente, são os favoritos ao duelo final nas urnas americanas. Mas, afinal, que é isto da “Súper Terça-feira”, como lhe chamam os norte-americanos?

Porquê “Súper Terça-feira”?

As primárias das eleições presidências dos Estados Unidos iniciaram-se a 1 de fevereiro. O grande dia está marcado para 8 de novembro, mas antes as duas forças políticas da maior potência do mundo, o Partido Democrata e o Partido Republicano, têm de eleger o candidato que vão apresentar na campanha presidencial. Os democratas contam com um universo de 4765 delegados em todo o país e no estrangeiro. Os republicanos, 2472. Os pré-candidatos precisam de conseguir pelo menos mais um delegado que a metade do respetivo eleitorado.

A terça-feira é o dia da semana usado, por tradição, nos Estados Unidos para as diversas eleições. As presidenciais, por exemplo, acontecem na primeira terça-feira de novembro do ano em causa, exceto quando esse dia coincide com feriado de Todos os Santos (1 de novembro) — é o caso este ano, por isso o sufrágio foi marcado para terça-feira seguinte, 8 de novembro.

A primeira terça-feira de março é, desde 1984 o grande dia das primárias presidenciais, ou seja, é a jornada em que mais Estados e territórios norte-americanos são chamados a mostrar as suas preferências e em que há mais delegados a conquistar pelos pré-candidatos ainda na corrida. Por isso, se chama “Súper Terça-feira”.

Este ano, entram na “Súper Terça-feira” 14 Estados e territórios, a que se soma o “caucus” democrata de Samoa Americana, um território auto governado, mas cujo chefe de Estado é o Presidente dos Estados Unidos, o qual mantém ali exclusivamente os poderes de dissolver o Parlamento, o “Fono”, e de tornar lei os decretos aprovados pelos legisladores.

(EURONEWS)
(EURONEWS)

A comissão Nacional Republicana decidiu em 2014 que todos os Estados que realizassem os sufrágios nominativos antes de 15 de março teriam de atribuir os delegados de forma proporcional e não numa base de “o vencedor leva tudo”. Isto significa, explica a CBS News, que a maioria dos estados vão atribuir os delegados de acordo com a respetiva votação geral ou baseados no vencedor em cada distrito congressista. Os democratas atribuem todos os delgados de forma proporcional, à exceção dos superdelegados.

Nesta “Súper Terça-feira”, vão ser atribuídos 865 delegados democratas e 661 delegados republicanos. Para os primeiros, restam na corrida Hillary Clinton, a favorita, e o Senador de Vermont, Bernie Sanders, a surpresa. Entre os republicanos, dos 12 iniciais restam cinco: o controverso milionário Donald Trump, que lidera a corrida para já, o Senador da Florida Marco Rubio, o Senador do Texas Ted Cruz, o Governador do Ohio John Kasic e o neurocirurgião reformado Ben Carson.

Os democratas vão atribuir “nesta terça-feira gorda” quase um terço dos 2383 necessários para a nomeação. Os republicanos atribuem cerca de metade dos 1237 delegados necessários para ganhar a nomeação do partido.

Como estão as contas?

Partido Democrata

1.° Hillary Clinton: 543 delegados;
2.° Bernie Sanders: 85 delegados.

Hillary Clinton pode dar um passo decisivo nesta “Súper Terça-feira” rumo à nomeação para as presidenciais. As sondagens colocam-na à frente de Bernie Sanders ma Georgia e no Texas, onde estão em jogo, respetivamente, 102 e 222 delegados, que serão distribuídos de forma proporcional.

O Senador do Vermont está obrigado a conseguir excelentes resultados nos grandes Estados a votos esta terça-feira, face à grande desvantagem que já leva da antiga secretária de Estado. Sanders apenas lidera nas sondagens de Vermont, mas tem contra si os afro-americanos, que já valeram uma grande vitória a Hillary na Carolina do Sul e dominam boa parte do eleitorado no Alabama, Arkansas, Georgia, Tennessee, Texas e Virginia — seis Estados que representam, sensivelmente, 66 por cento dos delegados em jogo neste “Súper Terça-feira”.

Partido Republicano

1.° Donald Trump: 81 delegados;
2.° Ted Cruz: 17;
3.° Marco Rubio: 17;
4.° John Kasich: 5;
5.° Ben Carson: 3;

Jeb Bush tinha conquistado 3 delegados, mas já suspendeu a candidatura. Donald Trump lidera as sondagens na Virginia, na Goerogia e no Oklahoma. Os rivais têm de conseguir grandes resultados para manterem as hipóteses em aberto. Ted Cruz, por exemplo, têm de “arrasar” no Texas, onde é Senador e têm 155 delegados para conquistar, num estado onde ainda funciona o sistema de “o vencedor leva todos” se conseguir a mais de 50 por cento dos votos.

A campanha de Marco Rubio já avisou que um resultado negativo na “Súper Terça-feira” pode custar o adeus à corrida. Governador do Ohio, John Kasich aguarda ainda por um “esmagador” apoio no Michigan, onde vão estar, a 8 de março, 148 delegados em jogo.

A situação atual em gráfico?

(EURONEWS)
(EURONEWS)

por Francisco Marques | com CBS NEWS, LUSA, REUTERS

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA