Presidência libera Joaquim Levy para assumir a diretoria financeira do Banco Mundial

(AFP 2016/ Evaristo Sá)

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu liberar o ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy, do compromisso de quarentena que deveria observar para assumir a diretoria financeira do Banco Mundial.

Na semana passada, a Comissão divulgou parecer, afirmando que, de acordo com a Lei 12.813/2013, Levy deveria observar um período de seis meses entre a sua exoneração do Ministério da Fazenda, em dezembro de 2015, até assumir a diretoria do Banco Mundial, o que estava previsto para o início de fevereiro de 2016.

As alegações da Comissão eram de que, por ter exercido cargo relevante na Administração Pública (no caso, a titularidade do Ministério da Fazenda), Joaquim Levy poderia provocar um conflito de interesses entre suas antigas e as novas atribuições.

No entanto, o ex-Ministro recorreu da decisão da Comissão adotada na quinta-feira, 28 de janeiro, que exigia o cumprimento de uma quarentena de seis meses. Joaquim Levy argumentou que “o Banco Mundial é uma organização internacional integrada pelo Brasil e que suas funções envolvem ações de interesse do país, como o auxílio ao desenvolvimento, o combate à pobreza e a promoção da inclusão social, igualdade de gênero e combate à deterioração climática. Assim, a participação de um cidadão brasileiro redunda no resguardo dos interesses do Brasil, principalmente no que tange ao desenvolvimento econômico e posicionamento global do país.”

Joaquim Levy também informou à Comissão que seu nome foi submetido à análise dos diretores executivos do Banco Mundial e que o fato foi comunicado às autoridades brasileiras. De acordo com o ex-Ministro da Fazenda, seu nome foi formalmente aprovado pelo Conselho de Diretores Executivos do Banco Mundial em 13 de janeiro de 2016.

Para a advogada Vania Aieta, Presidente da Comissão de Direito Constitucional da Ordem dos Advogados do Brasil e Professora de Direito Público da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), as exigências da Lei 12.813/2013 são corretas. Em entrevista à Rádio Sputnik Brasil, Vania Aieta afirmou:

“O ex-Ministro deveria ter feito a comunicação prévia à Comissão de Ética Pública da Presidência da República conforme determina a Lei 12.813/2013. Esta Lei é muito bem-vinda porque impede que ex-funcionários do governo, que ocuparam cargos relevantes em qualquer esfera do Poder, possam logo após deixar os cargos dedicar-se à iniciativa privada, dedicando-se muitas vezes a interesses completamente contrários aos que defendiam na Administração Pública. Se o ex-Ministro da Fazenda seria ou não liberado da exigência de cumprimento da quarentena, seria uma decisão que ele teria de aguardar antes de assumir o cargo.”

Opinião idêntica à da Dra. Vania Aieta, tem o seu colega de OAB/RJ, Dr. Leonardo Vizeu, ex-Presidente da Comissão de Direito Constitucional, hoje Presidente da Comissão de Direito Econômico, e diretor da Escola da Advocacia Geral da União no Rio de Janeiro. Também falando à Rádio Sputnik Brasil, o ex-Ministro deveria ter cumprido a exigência legal:

“A Lei 12.813/2013 não distingue que tipo de ex-funcionário deve ou não cumprir a exigência de comunicar uma proposta de trabalho que possa criar conflito de interesse ou dar margem a este tipo de entendimento. Portanto, o procedimento exigido pela Lei seria a formalização do comunicado e, após a sua entrega, aguardar pela manifestação da Comissão que poderia, inclusive, dispensá-lo do cumprimento da exigência da quarentena.”

Para os Drs. Vania Aieta e Leonardo Vizeu, nem mesmo a simples comunicação verbal à Presidente da República, Dilma Rousseff, seria suficiente para exonerar Joaquim Levy do cumprimento desta exigência. Para os dois advogados, as exigências teriam de ser cumpridas. (SPUTNIK)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA