Portugal com a segunda gasolina mais cara da Europa em função do rendimento

(Reuters)

O aumento do ISP fez disparar o custo dos combustíveis no mercado nacional. Portugal ficou ainda mais perto do topo do “ranking” da tributação tanto da gasolina como do gasóleo, segundo a Deloitte.

Portugal subiu para segundo lugar no “ranking” da tributação sobre a gasolina no espaço da União Europeia, considerando o poder de compra comparado dos cidadãos de cada país. Aproximou-se do topo perante o aumento de seis cêntimos do Imposto Sobre produtos Petrolíferos (ISP), diz a Deloitte.

A tributação da gasolina já era elevada, mas agravou-se ainda mais com o aumento do ISP operado pelo Governo em Fevereiro de 2016, no âmbito das suas propostas de Orçamento do Estado para este ano. Passou de quinto para o segundo lugar, “sendo apenas ultrapassado pela Roménia”, refere o estudo da consultora.

“Até ao recente aumento da tributação dos combustíveis em Portugal, encontrávamo-nos em quinto lugar no que se refere à gasolina e em 12º no gasóleo, o que significou um salto de três posições quanto ao primeiro combustível e de sete no que se refere ao segundo”, comenta Afonso Arnaldo, fiscalista da Deloitte. No diesel, Portugal surge como quinto país com tributação mais elevada na Europa dos 28.

A Deloitte nota que Espanha encontra-se em posições opostas a Portugal, “em concreto na 26º posição quanto à carga fiscal da gasolina, considerando o poder de compra comparado (menor peso da tributação comparada apenas na Áustria e no Luxemburgo) e na 25ª posição quanto ao gasóleo (só ultrapassada, pela positiva, por Dinamarca, Áustria e Luxemburgo)”.

Em termos de tributação absoluta, ou seja, não considerando o poder de compra comparado dos cidadãos de cada país, o estudo da Deloitte coloca Portugal como quinto país com maior tributação da gasolina (antes do aumento de Fevereiro de 2016 ocupava o 12º lugar) e como 10º com maior tributação do gasóleo (até Fevereiro de 2016 situava-se na 19ª posição). (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA