Namibe: Governador considera 28 Fevereiro como um marco na história de Angola

governador do Namibe, rui falcão (Foto: Frederico Herculano)

O governador da província do Namibe, Rui Falção, considerou no domingo, nesta cidade, que o dia 28 de Fevereiro constitui um marco essencial na história de Angola, do Ministério do Interior e da Policia Nacional, pois foi, nesta data, dado mais um passo para consolidação da liberdade e independência nacional.

O governador fez esta consideração no acto das comemorações do 40º aniversário da Policia Nacional, que se assinalou no dia 28 deste mês e que contou com a participação de mais de dois mil efectivos.

Rui Faca lembra que no ano de 1976, passados apenas cerca de três meses da proclamação da independência de Angola, como pátria livre e soberana no contexto das nações, era instituída a polícia nacional.

“ Por determinação do comandante em chefe, o saudoso presidente Dr. António Agostinho Neto, foi criado o Corpo de Polícia Popular de Angola e realizado o primeiro juramento de bandeira, na então escola prática de polícia.Dos primeiros efectivos formados sob direcção do comandante Santana André Pitra Petroff”, disse.

Com o virar desta página da nossa história recente, Rui Falcão disse que mais um passo foi dado no sentido da consolidação da liberdade e da independência, derrotado que estava o regime colonial fascista português.

“ Brotava assim uma polícia popular, diferente da Policia colonial, uma polícia inteiramente entregue à defesa dos interesses mais legítimos do povo angolano”, acrescentou.

Realçou ainda que todo o processo desenhado e vivenciado pela Policia Nacional, em cada etapa da sua história, custou o esforço, a dedicação e até o sacrifício supremo de muitos dos seus melhores quadros e de todos que convictamente optaram como profissão a tarefa da defesa da legalidade democrática e da manutenção da ordem e tranquilidade pública.

“ A polícia hoje encontra-se implantada em todo o território nacional, exercendo a sua actividade em apoio e defesa das populações e participa nas acções de prevenção à sinistralidade rodoviária, à calamidades e desastres naturais e artificias e em outras actividades de carácter social, programadas pelo governo”, sublinhou.

Salientou ainda que a polícia esta também presente na linha da frente das nossas fronteiras para combater a imigração ilegal e as tendências de descaminho e desvio do erário público e de bens adquiridos para satisfação das necessidades do povo angolano.

Assistiram o acto do 40º aniversário da Policia Nacional, membros do conselho consultivo deste órgão, oficiais das Forças Armadas Angolanas(FAA), membros do governo, autoridades tradicionais e convidados. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA