Maka à quarta feira: Honras ao rei Elias Diá Kimuezo

Rei Elias Diá Kimuezo (Foto: D.R.)

“Eu sou miúdo, tem aqui mais velhos que devem saber coisas melhores do que eu, mas sente-se verdadeiramente um rei, kota Elias?”, atira com pujança um kandengue na plateia de maioria kota.

Com a plateia à espera, dividida entre o sim e o não, Elias simplesmente disse: “Obrigado pela pergunta que me foi formulada. Eu come- ço por dizer que tudo nasce e cresce e faz-se. Eu estou a caminhar e ainda não cortei a meta. Se acharem que devem servir-me como rei, então o momento é este, por favor”, uma resposta perspicaz que mereceu os aplausos de uma plateia repleta de escritores, familiares, músicos, jornalistas e amantes da música angolana, presentes no jango da União dos Escritores Angolanos para mais uma Maka à Quarta-Feira cujo tema era exactamente Elias Dyá Kimuezo, no passado dia 20 de Janeiro.

Á direita, o compositor e intérprete Xabanú (Foto: D.R.)
Á direita, o compositor e intérprete Xabanú, velho amigo de Elias Diá Kimuezo.
(Foto: D.R.)

À mesa estavam Carmo Neto, secretário-geral da UEA, Elias dyá Kimuezu, Marta Santos e Luís Fernando. Citando Jomo Fortunato, num texto em que classifica Elias, Marta, a autora da biografia ´Elias Dyá Kimuezo – A Voz e o Percurso de um Povo´, descreve-o como “compositor de múltiplos recursos poéticos e paradigma da canção escrita em kimbundu. Elias é uma personalidade crítica com forte enraizamento popular. São da sua autoria as melodias e textos mais representativos da História da Música Popular Angolana, inspirada na expressividade da cultura kimbundu”.

Miguel Neto e o escritor Albino Carlos, à direita. (Foto: D.R.)
Miguel Neto e o escritor Albino Carlos, à direita.
(Foto: D.R.)

A pesquisa do livro levou 6 anos e deu voz a familiares, homens de cultura e músicos. A par das letras, a música de Elias também era aí celebrada pelos seus cotados 60 anos de carreira e pelo seu mais recente álbum que intitulou ´O Semba Passa Por Aqui´, lançado no dia 2 de Janeiro na Praça da Independência, quando completou exactamente 80 anos, dado que nasce a 2 de Janeiro de 1936, no bairro Marçal.

A tertúlia no jango da UEA foi abrilhantada com números musicais de Elias interpretados pelo líder da banda Acapaná, Acácio, que fechou o evento com pompa e garbo ao fazer-se acompanhado por Elias na canção Nzala.

Manuel Claudino e Ventura de Azevedo, à direita (Foto: D.R.)
Manuel Claudino e Ventura de Azevedo, à direita
(Foto: D.R.)

Contudo, durante o certame os presentes intervieram satisfatoriamente, levantado problemas, recordando momentos passados ao lado de Elias, dando sugestões às instituições competentes na forma como gostariam de ver tratado o rei, que entre sim e não de ser rei, muito profundamente se ouviu e viu um pedido geral que convergiu as opiniões de todos os presentes: honras ao rei, por favor. Depoimentos Luís Jesus ´Xabanú´ – Amigo e contemporâneo de Elias, numa amizade travada desde os anos 64/65.

Foi-lhe apresentado pelo Luís Visconde, no Marçal. Xabanu vai à tropa e quando volta é empregado na Nocal, como vendedor de cerveja. Quando largava, às 17:30, muitos músicos o esperavam à porta da empresa, mas decidia sair sempre no carro de Elias e justifica aos restantes que Elias era o seu primeiro amigo.

Luís Kandjimbo e Cirineu Bastos, à direita. (Foto: D.R.)
Luís Kandjimbo e Cirineu Bastos, à direita.
(Foto: D.R.)

A amizade mantém-se até hoje. Manuel Claudino da Silva – Lembra que uma vez, a convite de uma organização de Luanda, o Roberto Carlos vem a Angola e levantavam a hipótese de ele ser recebido pelo rei da música angolana, ao que Elias respondeu: “Eu moro aqui no Cassequel do Buraco, como é que eu vou receber o Roberto Carlos em Minha casa? Nem pensar!”.

Manuel é amigo do Elias há mais de quarenta anos, embora Elias tivesse sido primeiro amigo do seu pai. E da maka das distinções de rei, indaga: “E será que ele já tem as mordomias de rei?”. Do que tem visto, acredita que não.

Mas, para ripostar um interveniente, Carlos Pimentel, que ainda no início tinha interrogado a mesa se Elias era ou não antigo combatente como ele, Manuel afirma que Elias é de facto antigo combatente e frisou ainda um processo em curso sobre o Kissanguela que anda pendente, a ver se num futuro próximo os integrantes deste grupo fossem colocados na caixa social das Forças Armadas e atribuídas patentes que melhor dignificassem os feitos pátrios destes cidadãos. Miguel Neto “Lito” – Conhece Elias desde os seus 11 anos e veio como amigo do rei, por mais que pareça caricato, devido a grande diferença de idade. Trato-o carinhosamente por papá.

Miguel morava no Rangel, na rua do Bexiga, e Elias morava na rua de trás. Ele também foi daqueles rapazes que seguia Elias depois do Kotonoca e quando desse por si já estava muito distante de casa.

Quanto a questão do facto de Elias se sentir rei ou não, é dos que acredita que não. E justifica que convive com Elias quase diariamente há mais de dez anos e que esta homenagem vem a calhar, aproveitando o momento para apelar ao bom senso das pessoas que o nosso rei tem passado muitas dificuldades, tanto que para se deslocar tem de pedir aos amigos.

José Luís Mendonça e Arnaldo Calado. (Foto: D.R.)
José Luís Mendonça e Arnaldo Calado.
(Foto: D.R.)

Albino Carlos – Foi dos depoimentos mais emotivos, tanto que, tomado pela emoção, ao escritor e jornalista faltaram palavras. Concordando com as palavras de Kandjimbo, que o fez arrepiar, desafiou-nos a imaginar com a seguinte questão: “Se Kandjimbo, um garoto de Benguela, ficava encantado com a imagem à moda axiluanda do kota Elias, como seria o efeito a um rapaz do Rangel cuja casa era um salão, Cinco de Pau, na Rua do Povo?”.

A resposta era evidente e Albino moía-se de emoção. Disse-nos que viu o kota Elias quando garoto, que o relembra como homem de aura, e disso aponta que os músicos deste timbre merecem uma grande homenagem.

Sobra a poesia contida em Elias, Albino é de opinião que toda a poesia do kota Elias está na forma como ele canta, e que isto ninguém pode escrever, talvez seja o motivo de os escritores nutrirem às vezes alguma inveja dos músicos.

Do seu Rangel do coração, eles, rangelitos, ficam arrepiados ao ouvir Elias. Dominguinhos, Xabanú e outros já causaram muita alegria naquele bairro, eram figuras emblemáticas e de talento consumado.

Luís Kandjimbo – Ouviu o pedido de um amigo e decidiu tecer algumas palavras de apreço a Elias. Fê-lo recorrendo à imagem que tem de Elias, ressaltando a forma como a música popular urbana contribuiu para a formação do carácter e da personalidade de muitos do seu tempo.

Lembrou-nos ser natural de Benguela, uma cidade do litoral, e a imagem que lhes era transmitida a partir de Luanda, sobretudo ao nível da música, era muito importante. Aponta-o como um dos mú- sicos que para a sua geração tem muita importância, mesmo cantando em kimbundu, visto que fala umbundu.

Analisa que as letras em kimbundu, devido ao substrato bantu, permitiam a jovens miúdos de 8 ou 9 anos entenderem palavras isoladas que ajudavam a compreender o sentido, mesmo sem saber o significado das frases construídas.

Combinando as palavras-chaves à melodia e harmonia, acontecia um pouco também devido aquela imagem radical que ele apresentava nas capas dos discos, lembra. Kandjimbo destaca que essa era uma outra coisa que lhes deleitava.

As imagens eram significativas, a do homem de barba preta e farta e vestido de pano, o que para garotos, nos plenos anos 60, significava que estavam diante de uma figura representativa daquilo que deveriam ser.

Tem companheiro de geração e de estrada com os quais ouviu as músicas de Elias, motivo que lhes levou a aprender a tocar guitarra e cantando mesmo sem saber o kimbundu, sinal de que queriam ser aquilo que deveriam ser, ajudando desta forma a formar o carácter.

Paulo Campos – O escritor Paulo Campos faz recurso às músicas de Elias para buscar inspiração ou força para escrever… essa música da mãe, que diz mamã kudilengó, um tema maternal e profundamente sentimental, é um exemplo. José Luís Mendonça – Admira profundamente Elias, que considera “poeta de kimbundu”, fazendo referência da música ´Nzala´, cujo original era tocado com fundo de piano.

O poeta deixou um repto a UEA, representada no momento por Carmo Neto, de publicar em livro as canções de Elias. Sublinhou a diferença entre a música da novíssima geração e a dos kotas, encontrando na novíssima uma grave falta de poesia na composição das letras, feitas apenas para consumo imediato, além de apontar esta geração como descuidada no que toca ao canto em línguas nacionais, como também se não seria possível que os mais jovens tentassem aprender mais com Elias.

Ao que Elias respondeu que tem vivido com certo descontentamento devido a prática abusiva da nova gera- ção. “Todos nós temos de aprender e saber lidar com as pessoas, aproximar, conjugar, conhecer os hábitos e costumes, é das coisas mais sagradas que existe no mundo africano. Mas existe o desrespeito.

Eu não vou rejeitar que deixem de dar continuidade a obra que eu fiz, eu não serei continuador. Eu peço à nova geração, por favor, que respeitem as obras. Aproximemse, sem receios, que nós vamos conduzir ao caminho certo”.

Ventura de Azevedo – Conheceu Elias quando tinha treze anos de idade, num tempo em que ainda a música angolana passava na rádio esporadicamente e os pais proibiam os filhos de falar kimbundu, mas a contragosto das avós, que sempre mandavam os netos em kimbundu. Moravam no sambizanga e uma vez foram assistir ao kutonoca, quando Paulo já tinha dezassete anos.

Era um sábado e quem estava no auge era Urbano de Castro. Mas naquele dia aconteceu algo diferente, apontando como dia provável da estreia do tema ´Mamã kudilengó´, que já neste dia arrebatou o coração dos presentes, ofuscando a participação dos restantes. Apresentou a Elias a sua inquietação sobre o momento e motivo da cria- ção deste tema. Elias responde-lhe que esta canção foi criada na altura em que a malta do Ginásio viaja para o exterior do país e lá fora transforma-se em Kinsaguela.

Mas ficam Elias e mais alguns elementos. Dos que foram ao exterior, Mam Mingo, Tomás e Joaquim, do Ginásio, tinham tirado sem autorização o salário do pai para pagar o barco. Zangado, o pai abandona a casa por uma semana. A mãe não sabia o que fazer e só chorava.

Eram seus vizinhos e Elias acompanhou de perto, decidindo escrever esta música de mensagem profunda em homenagem às mães, por tudo que sofrem pelos filhos, que diz num dos trechos mais conhecidos: “Minha mãe não chore, eu vou mas tornarei a voltar, e mesmo que voltar cego, só de tocar os teus seios saberás que és a minha mãe”.

Luís Fernando – Começou por dizer que concorda redondamente com os dizeres de Luís Kandjimbo a Elias, que o sentimento que ele sentiu em Benguela teve-o também no Uíge. Recorda que no tempo colonial chegava-lhe muito a música de Elias. E mesmo sem perceber o kimbundu, era o referido substrato bantu que lhes fazia dar conta de algumas palavras-chaves, como aconteceu na música Nzala.

Também lembra um vizinho que estava muito avançado para o seu tempo, que dá vida a um personagem do seu último romance, e foi este que tinha os primeiros discos de vinil, tendo visto em casa deste vizinho uma imagem de Elias. Assim nasce a admiração que tem pelo músico, que o considera pela alma que põe no seu canto.

Da maka, acentua que esta homenagem é o mínimo que se pode fazer, escritores e cidadãos, para esta geração de Elias que tem sido tratada com alguma injustiça. E continuou fazendo referência à relevância do chamamento do canto, que compara a do fuzil e da acção armada, convidando os presentes a saber: “Muitos de nós somos do MPLA pelas canções que nós ouvimos”. Cirineu Bastos – Concordou com Kandjimbo e Albino Carlos porque ambos tiveram o cuidado de realçar o valor do artista que fez do cancioneiro uma forte arma de luta.

E deixou a entender que as palavras destes escribas tocaram-no, lembrando que em muitos sítios pessoas da sua estirpe recebem elogios de terem sido bons rapazes, mas falta reconhecimento. Já travou com algumas pessoas ilustres que confirmaram que há pessoas que com o fuzil deram uma série de tiros, mas alguns não alcançaram tanto como as mensagens de músicos como Elias.

Arnaldo Calado – Último a intervir, viu-se na obrigação de fazer ligações. Começou respondendo a pergunta que todos faziam, uma pergunta que lhe pareceu exageradamente dura mas que teve uma resposta exageradamente inteligente, se o rei Elias sentia-se rei ou não.

Defende que o rei Elias é o rei da música angolana, e disto ninguém duvide. Basta cantar ou assobiar e dar em música, o rei é o Elias, diz. Pensa ser muito difícil para o Elias acordar no dia seguinte e dizer que ele já não é mais o rei.

Defende que as pessoas que o atribuíram continuam a tê- lo como rei. Pondera que há dificuldades, e que nem mesmo o Elias viveria bem sem dificuldades. O Elias tem dificuldades e sabem-nas.

Mas tudo tem o seu tempo, ajeita. Não acredita que um dia possamos ver o Elias sem dificuldades, aliás, conclui que todos nós vamos ter sempre dificuldades. Entre as soluções, convidou a falar dos direitos de autor, ir nos hotéis, restaurantes e similares que usam a música de Elias mas não pagam direitos de autor.  (cultura)

Por: Matadi Makola

DEIXE UMA RESPOSTA