Lula da Silva investigado em caso de compra de favores

(Bloomberg)

As autoridades iniciaram um novo inquérito para averiguar se o ex-Presidente da República teve contacto com os lóbistas que alegadamente negociavam medidas legislativas que beneficiavam algumas empresas e sectores.

O ex-Presidente brasileiro Lula da Silva é um dos alvos das investigações levadas a cabo pela Polícia Federal no âmbito da alegada “compra” de medidas legislativas para beneficiar determinadas empresas.

A notícia está a ser avançada esta quinta-feira pela imprensa brasileira e refere-se à Operação Zelotes – na qual também está envolvido o filho de Lula da Silva, Luís Cláudio – citando uma carta enviada pela Polícia Federal à Justiça Federal do país.

Além de Luiz Inácio Lula da Silva, estão ainda sob investigação o secretário executivo do Ministério da Fazenda Dyogo Oliveira e a ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra (antiga número dois de Dilma Rousseff), contra os quais terão nos últimos dias surgido indícios em novos documentos entretanto acrescentados aos autos.

Em causa está a possível associação de Lula e outros altos funcionários a lóbistas que são suspeitos de pagar a membros do Governo e do Congresso para garantir, através de alterações legislativas, benefícios fiscais a fabricantes automóveis.

A investigação entretanto aberta tentou analisar se outros servidores teriam sido corrompidos ou vítimas de tráfico de influências. As autoridades policiais afirmam contudo que ainda não há elementos suficientes para que a investigação seja enviada ao Supremo Tribunal Federal.

A operação Zelotes foi desencadeada para investigar fraude fiscal através da manipulação de decisões administrativas para reduzir ou eliminar o pagamento de multas.

A fase actual da operação investiga a suposta compra de favores, na aprovação de três medidas provisórias – diplomas produzidos pelo Presidente da República “em casos de relevância e urgência” e que “têm força de lei e vigência imediata” – que terão alegadamente beneficiado empresas específicas. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA