Julgamento de activistas volta a ser adiado

(Lusa)

O Tribunal de Luanda voltou hoje a adiar o julgamento dos 17 activistas acusados de prepararem uma rebelião, recusando novamente o pedido da defesa para dispensar os declarantes que ainda não foram ouvidos. A nova audiência foi marcada para dia 7 de Março.

Dos declarantes convocados destacam-se dois antigos governadores da província de Luanda, dirigentes do MPLA. José Maria Ferraz dos Santos e Aníbal Rocha recusaram qualquer relação com os activistas acusados da preparação de uma rebelião, garantindo que nunca foram contactados para integrar um alegado governo de salvação nacional.

Também presente em tribunal esteve o docente e investigador universitário Nelson Pestana, militante do partido Bloco Democrático, que negou qualquer conhecimento prévio ou autorização para a inclusão do seu nome na lista. Igualmente do Bloco Democrático, Adão Manuel negou em tribunal qualquer contacto dos activistas em julgamento e o conhecimento prévio da lista, tal como outros dois declarantes.

Outro nome que consta na convocatória publicada no Jornal de Angola é o do ex-primeiro-ministro de Angola, Marcolino Moco. Ontem em declarações à agência de notícias Lusa, Marcolino Moco disse que não tinha recebido qualquer notificação oficial e, por essa razão, não se iria apresentar diante da justiça.

O ex-primeiro-ministro disse ainda que os órgãos judiciais em Angola estão “manietados” pelo regime de José Eduardo dos Santos e que os juízes “são uns coitados”.

Em causa está a lista elaborada, e publicada nas redes sociais, pelo jurista angolano Albano Pedro, que não está acusado neste processo, sendo composta por pessoas que supostamente iriam substituir o Governo legitimamente eleito. A defesa voltou hoje a requerer que as audições fossem substituídas apenas pela auscultação do autor da mesma.

Esta terça-feira foram ouvidos apenas seis dos 23 declarantes que estavam arrolados, motivo pelo qual o tribunal decidiu suspender, mais uma vez, o julgamento, para ser retomado a 7 de Março. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA