Huambo: Medidas de combate a crimes violentos serão redobradas

Policia Nacional de Angola (RNA)

O Comando Provincial da Policia Nacional no Huambo pretende redobrar, nos próximos tempos, as medidas de combate aos crimes violentos com recurso a armas de fogo.

O facto foi dado a conhecer hoje (terça-feira) à Angop pelo porta-voz da corporação, intendente Martinho Kavita Satito, no final da sessão extraordinária do Conselho Consultivo Alargado de Auscultação da Delegação do Ministério do Interior e do Comando da Policia Nacional no Huambo.

Informou que durante o encontro, que analisou o assunto, foram traçadas estratégias tendentes ao reforço da vigilância e diligências por parte dos órgãos de segurança pública quanto a posse ilegal de armas de fogo, assim como do trabalho de policiamento de proximidade nas comunidades.

Referiu que deverá igualmente ser estreitada a relação com os líderes comunitários e as instituições de ensino, que deverão sensibilizar os cidadãos sobre a importância da denúncia daqueles que ainda insistem em possuir armas.

Admitiu que são preocupantes os dados de crimes com recurso a armas de fogo, já que em 2015 foram registados 241 casos, mais 131, em relação a 2014, que no seu entender constitui um atentado a tranquilidade pública e a segurança dos cidadãos.

As medidas, de acordo com Martinho Kavita, deverão igualmente passar pelo desmantelamento de grupos de delinquentes, bem como por uma investigação sobre a origem do material.

O conselho analisou igualmente o ponto de situação dos recursos humanos dos diversos órgãos que compõem o Ministério do Interior, tendo deliberado a necessidade da promoção da formação contínua do efectivo para que possa responder aos desafios actuais.

O Conselho Consultivo, orientado pelo delegado do Ministério do Interior e comandante da Polícia Nacional do Huambo, comissário Elias Dumbo Livulo, analisou igualmente o ponto de situação dos recursos humanos dos diversos órgãos, tendo deliberado para a necessidade da promoção da formação contínua do efectivo para responderem aos desafios actuais. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA