General Nunda almeja progressos nos processos de pacificação da Região dos Grandes Lagos

das FAA (Foto: Lino Guimarães)

O chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas Angolanas (FAA), general Geraldo Sachipengo Nunda, considerou preocupantes as situações de instabilidade no leste da República Democrática do Congo (RDC), no Sudão do Sul, na República Centro Africana (RCA) e no Burundi, almejando progressos nos respectivos processos de pacificação.

Discursando na reunião de Chefes de Estado-Maior da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos, o general disse que na RDC, depois da vitória sobre os rebeldes da M-23 e das Forças de Libertação do Ruanda (FDLR), espera-se pela conclusão do reassentamento e reintegração de antigos rebeldes.

O também coordenador da comissão do órgão militar da conferência falou também da necessidade de repatriamento de ex-rebeldes da RDC e do Ruanda.

Sublinhou que os resultados da operação Sukola II apontam para o afastamento dos rebeldes das zonas de influência e o seu refúgio nas matas, para a desorganização do seu comando e desarticulação das estruturas.

O general Nunda disse que depois dos esforços bilaterais, regionais e internacionais, na República Centro Africana, os últimos desenvolvimentos apontam para a aproximação das partes em conflito, o que permitiu a realização de eleições de 30 de Dezembro de 2015.

A segunda volta das presidenciais deve decorrer no dia 14 deste mês e as legislativas 90 dias depois.

Referiu que a grande tarefa é a reconstrução do país, assim como a organização do seu sistema de segurança abalado pelas contradições e pelo conflito interno.

O oficial superior declarou que no Sudão do Sul as expectativas continuam em torno da implementação do último acordo de 27 de Agosto de 2015, entre o governo e as facções rebeldes, para que a paz regresse ao país mais jovem do continente, mergulhado num conflito violento desde 2013.

Falou da crise desencadeada no Burundi por desentendimentos eleitorais, de que resultaram desacatos que persistem.

O general aguarda pelo retorno à tranquilidade e à normalidade da vida do país, nos próximos tempos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA