Futebol: Jonas foi o herói no Estádio da Luz

Jonas alimenta o sonho dos encarnados na Champions Foto: Desporto Sapo/D.R

Teve que haver um livre que, por fim, Nico Gaitán bateu como deve ser para Jonas saltar e, de cabeça, fazer o primeiro golo. Só aconteceu aos 91′, mas o Benfica leva um golo para a Rússia.

Hora e meia de futebol não chegava para haver golos.

Por isso é que o árbitro se armou em bom samaritano e devolveu ao jogo os minutos que as paragens lhe tinham roubado. Incluindo a que Criscito causou quando, talvez chateado com a bola que André Almeida lhe roubou pouco antes, voltou a derrubar o português pelas costas. Era o segundo amarelo para o italiano e a último livro para Nico Gaitán bater. O argentino aprendeu com os erros, porque desta vez cruzou-a para a área, em jeito e algo tensa, das que pedem um desvio e ameaçam um golo caso ninguém lhe toque e o guarda-redes for no engodo. Mas a cabeça de Jonas tocou-lhe no meio da altura que os defesas lhe tinham a mais. E saiu dali a correr, a gritar e a tirar a camisola do corpo, enquanto correu em direção à bancada para juntar adeptos e jogadores num abraço de alívio.

O que noventa minutos de futebol não tinham dado aparecia num minuto de compensação. Aos 91′.

E foi o primeiro de quatro minutos que o árbitro deu a mais ao jogo que deixaram o Benfica guardar o que André Villas-Boas queria levar roubado de Lisboa — a eliminatória. Um golo não resolve tudo, mas impede que o Zenit fique à vontade e passe a ter que lutar à rasca pela passagem aos quartos-de-final na Liga dos Campeões. Mas é o golo de Jonas que dá aos encarnados uma camada extra de proteção contra o frio que terão de suportar em São Petersburgo daqui a duas semanas. Ah, e durante hora e meia. (Observador)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA