Ler Agora:
Eleições no Uganda: detenção, protestos e bloqueio de redes sociais
Artigo completo 3 minutos de leitura

Eleições no Uganda: detenção, protestos e bloqueio de redes sociais

As eleições gerais no Uganda decorreram ao som de protestos em vários pontos do país. Em Kampala, a polícia usou gás lacrimogéneo para dispersar eleitores enfurecidos. Um candidato da oposição à Presidência foi detido.

Depois de votar, esta quinta-feira (18.02), o Presidente ugandês Yoweri Museveni disse aos jornalistas que ia descansar. “Não tenho conseguido dormir”, confidenciou. “Amanhã, vou caminhar e ver as minhas vacas.”

Na manhã de sexta-feira, a Comissão Eleitoral divulgou resultados parciais: Museveni, no poder há três décadas, ia à frente da contagem, com quase 62% dos votos. Em segundo lugar, a larga distância, estava o principal candidato da oposição à eleição presidencial, Kizza Besigye, com 33,5%, quanto estavam contabilizados os votos de cerca de 13% do total de eleitores registados.

O opositor Kizza Besigye foi libertado ao final da tarde de quinta-feira após ter sido detido na capital do país, Kampala, junto a uma casa que suspeitava servir de centro ilegal de contagem dos votos gerido pelo Movimento de Resistência Nacional, o partido no poder, e pela polícia. Momentos antes, criticara o processo eleitoral perante os jornalistas.

“Isto tem de parar”, disse Besigye. “Se o senhor Museveni não quer eleições, não tem de as convocar. Mas, se as convoca, que as deixe ter lugar. Para quê gastar o dinheiro do país a organizar uma eleição se quer impor a sua vontade?”

De acordo com a polícia, Besigye não foi detido, mas apenas “escoltado” até à sua residência, após lhe ter sido negado o acesso a um edifício onde os civis não podem entrar.

Protestos

O opositor já fora detido na segunda-feira durante algumas horas. Os seus apoiantes ergueram barricadas e lançaram pedras à polícia, que respondeu com disparos e gás lacrimogéneo. Uma pessoa morreu e 19 ficaram feridas.

O cenário repetiu-se esta quinta-feira. A falta de boletins de voto, os atrasos na abertura das assembleias de voto e suspeitas de fraude levaram a violentos protestos em vários pontos do país. Nos subúrbios de Kampala, a polícia respondeu com gás lacrimogéneo e tiros quando a população invadiu uma casa onde alegadamente se escondiam urnas com votos falsos.

“Sem problemas”

O encerramento oficial das urnas estava previsto para as 16h00, mas a Comissão Eleitoral foi obrigada a prolongar a votação por três horas. Ainda assim, o presidente da Comissão, Badru Kiggundu, mostrou-se satisfeito com a realização das eleições.

“O processo de votação decorreu sem problemas, as tecnologias funcionaram extremamente bem e, por isso, o investimento não foi em vão”, afirmou.

Ainda assim, entre os 15 milhões de eleitores ugandeses, muitos não puderam votar. Em algumas áreas, a votação foi adiada para sexta-feira.

Bloqueio de redes sociais

Entretanto, multiplicam-se as críticas ao Governo de Yoweri Museveni, que, durante o dia das eleições, bloqueou o acesso às redes sociais, como o Twitter, o Facebook ou o WhatsApp.

A Amnistia Internacional fala numa violação dos direitos fundamentais dos ugandeses à liberdade de expressão e à informação. Uchena Emelonye, representante no Uganda do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, também se mostrou preocupado.

“Isto tem implicações nos direitos humanos e já questionámos as autoridades”, revelou.

O líder da missão de observadores da União Europeia, Edward Kukan, afirma, no entanto, que os problemas registados durante a votação não deverão ter um impacto significativo no desfecho das eleições.

Resultados finais das eleições gerais deverão ser anunciados no sábado. (DW)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »