Cuba pede a Obama que suprima mais sanções

(AFP)

O ministro cubano de Comércio Exterior, Rodrigo Malmierca, pediu nesta terça-feira em Washington que o presidente americano, Barack Obama, adopte mais medidas de supressão de sanções à ilha para impulsionar o intercâmbio comercial bilateral.

Segundo Malmierca, que iniciou nesta terça-feira uma visita oficial de três dias à capital americana, o poder executivo americana ainda tem atribuições para aplicar estas medidas, em especial o uso do dólar nas exportações cubanas.

“As prerrogativas que o presidente dos Estados Unidos têm vão muito além do que fez até agora”, disse Malmierca, em alusão às sanções que a administração americana flexibilizou pela via dos decretos presidenciais.

“Por exemplo, não podemos usar o dólar no nosso comércio exterior”, destacou o ministro cubano, afirmando que não há norma que impeça Obama a autorizar o uso do dólar nas transacções comerciais de Cuba com países terceiros.

“Quando vendemos níquel, por exemplo, temos que fazer referência a preços definidos em dólar, mas temos que cobrar em euros ou em outra moeda. É um detalhe que dificulta todo o nosso comércio exterior”, disse Malmierca na Câmara de Comércio dos Estados Unidos.

Esta dificuldade “não complica o comércio de Cuba com os Estados Unidos, mas complica o comércio de Cuba com o resto do mundo”.

Outra grande dificuldade sobre a qual o presidente Obama pode incidir, disse o ministro cubano, é no acesso a créditos para o comércio de alimentos.

Jodi Bond, vice-presidente da poderosa Câmara de Comércio americana, disse que “não poderemos fazer negócios e restabelecer uma relação normal com Cuba a menos que as sanções sejam eliminadas”.

O grosso das sanções americanas a Cuba, vigentes há meio século, estão codificadas em diversas leis que definem a estrutura legal do embargo comercial e financeiro, e portanto, seu desmonte será de responsabilidade do Congresso americano. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA