CIRGL aprova agenda para encontro de Chefes de Estado

Secretário de Estado das Relações Exteriores - Manuel Augusto (Foto: Antonio Escrivao)

A reunião de ministros das Relações Exteriores da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos (CIRGL) encerrou hoje, sexta-feira, com a aprovação da agenda a ser submetida à Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da organização, prevista para Março próximo, em Luanda.

O secretário de Estado das Relações Exteriores, Manuel Augusto, que falava à imprensa no final da sessão, reafirmou o adiamento da Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CIRGL, inicialmente marcada para hoje.

Disse estar na base da transferência razões de agenda.

Afirmou que apesar do adiamento, os ministros concluíram a preparação dos pontos fundamentais a serem submetidos a reunião dos Chefes de Estado e de Governo.

Assegurou estar a ser feito um intenso trabalho com o apoio de todos, para que a paz e a estabilidade possam reinar na região dos Grande Lagos.

Disse ainda que os ministros receberam, com agrado, as informações que confirmam para o próximo fim-de-semana da realização da segunda volta das eleições presidenciais na República Centro Africana (RCA) e a nomeação, pelo presidente Salva Kiir (Sudão do Sul), do líder opositor, Riek Machar, à vice-presidente.

A nomeação dá corpo a um dos pressupostos dos acordos firmados entre as partes, na busca da pacificação do mais recente país independente do continente.

Referiu que merece especial acompanhamento da organização a tensão política na República do Burundi. “Esses assuntos foram profundamente discutidos e o relatório que será presente aos Chefes de Estado à próxima cimeira, reflecte o teor dessas discussões”.

Sobre as candidaturas ao cargo de secretário executivo da CIRGL, para substituir o congolês democrático, Ntumba Luaba, informou que os ministros ouviram os concorrentes e no final fizeram recomendações que vão ser submetidas a reunião dos Chefes de Estado.

Das quatro candidaturas iniciais mantiveram-se as do Quénia, Sudão e da Zâmbia. O Sudão do Sul desistiu da candidatura.

Neste quadro, referiu Manuel Augusto, o próximo secretário executivo da CIRGL vai ser eleito pela reunião de Chefes de Estado da organização, órgão que tem competência estatutária para o efeito.

“Ntumba Luaba está em fim de mandato, por ter cumprido quatro anos de funções não renováveis”, explicou.

A questão do secretariado executivo, prosseguiu, levou à uma outra nuance da gestão da organização, frisou, alegando tratar-se da continuidade do mandato da presidência angolana na CIRGL.

O Quénia preferiu não assumir a presidência e sugeriu aos países membros a continuação do mandato de Angola, realçou.

Apesar da sugestão do Quénia, uma decisão definitiva deverá ser tomada pelos Chefes de Estado.

Relativamente ao dia 26 de Março, como data provável da próxima cimeira de Chefes de Estado e de Governos, disse carecer de acertos na agenda dos 12 presidentes dos países membros.

CIRGL foi criada após os conflitos que se registaram na região, em 1994, e marcou o reconhecimento da sua dimensão e a necessidade de conjugação de esforços com vista a promover a paz e o desenvolvimento.

A CIRGL é constituída por Angola, Burundi, RCA, Congo, RDC, Quénia, Uganda, Ruanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia e Zâmbia. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA