Chefe de Estado aborda eleições na RDC com enviado especial da UA

Presidente da República, José Eduardo dos Santos (à dir), com enviado especial da União Africana para RDC, Eddy Nkojo (Foto: Lucas Neto)

O Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, analisou nesta quarta-feira, com o enviado especial da União Africana (UA) para a República Democrática do Congo (RDC), Eddy Nkojo, a organização das eleições naquele país, previstas para Novembro próximo.

No final do encontro, Eddy Nkojo explicou à imprensa que informou o estadista angolano sobre este pleito que está condicionado, devido a falta de condições técnicas.

Entretanto, o ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Rebelo Pinto Chikoti, que testemunhou a audiência, referiu que a RDC está com atrasos no processo eleitoral e por isso as autoridades locais pediram ajuda da comunidade internacional.

“Eddy Nkojo foi indicado pela União Africana, para ajudar nas divergências existentes entre o actual governo e os partidos políticos da oposição congolesa, no concernente à realização de eleições, aprazadas inicialmente para Novembro de 2016”, declarou o ministro Chikoti.

Salientou que “tecnicamente não existem condições para realizar eleições na RDC, na referida altura”.

O titular das Relações Exteriores precisou que é necessário diálogo entre a oposição e o governo e para o efeito Eddy Nkojo, que já foi secretário-geral da antiga Organização de Unidade Africana, “está a mediar o aludido processo de negociação.

Afirmou que a vinda deste diplomata a Angola deve-se ao facto de o mesmo reconhecer a experiência do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, com quem trocou impressões e pediu ajuda para um desfecho pacífico no impasse, entre governo e oposição.

Acrescentou que as Nações Unidas, União Africana e a União Europeia emitiram já uma resolução para apoiar o diálogo em curso na RDC e que a comunidade internacional reconhece haver atrasos e a necessidade de levar a cabo conversações pacíficas, para impedir conflitos neste país da Região dos Grandes Lagos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA