Brasileiro cria moto movida a hidrogénio da água (vídeo)

(EURONEWS)

Um trabalhador brasileiro da construção civil criou, na sua garagem, em São Paulo, a “Moto Power H2O”. A moto de 1993 de Ricardo Azevedo funciona agora com a ajuda de água. Uma bateria de um carro produz a eletricidade e, através de eletrólise, o hidrogénio é separado das moléculas de água. O processo resulta em combustão o que cria a energia necessária para pôr a funcionar a moto:

“Este equipamento quebra a molécula de água transformando essa molécula em oxigénio e hidrogénio. O hidrogénio sai em maior quantidade e eu uso-o para o funcionamento do motor da moto”, explica Ricardo Azevedo.

Seis meses depois de lançar este conceito e de ter feito mais testes e melhorias, o seu criador acredita que o projeto pode contribuir para reduzir o nível de poluição. Em vez de monóxido de carbono a sair pelo tubo de escape temos vapor de água:

“Esta moto é movida a hidrogénio retirado da água e nos testes híbridos que fiz ela chega a fazer 500 quilómetros com um litro de água”, adianta o seu inventor.

Esta não é, seguramente, a única resposta às necessidades globais de energia, mas é, pelo menos, uma potencial alternativa aos combustíveis fósseis:

“Cada novo dispositivo, ou qualquer trabalho, tem de ser levado a sério, com respeito. Eu respeito as pessoas que, por causa da preocupação, começam a mexer nas coisas que têm em casa e depois põem algo a funcionar”, adianta Marcelo Alves, professor de engenharia mecânica na Universidade de São Paulo.

Vários fabricantes de automóveis estão a lançar diferentes veículos com base no princípio da combustão de hidrogénio. Mas uma solução para acabar com o consumo de combustíveis fósseis está longe de ser alcançada:

“Precisamos informar o público de que não há nenhuma solução mágica. O caso dos veículos elétricos, eles não são movidos a água mas a eletricidade, usando uma bateria. Mas temos de elogiar os esforços de todas as pessoas que estão preocupadas e talvez devamos ajudá-las para que possam desenvolver os seus projetos, para que possa ser uma solução para alguém que quer usar esse tipo de dispositivos, a moto, por exemplo”, explica o mesmo professor.

Para testar a sua tecnologia caseira, o inventor brasileiro experimentou água destilada, potável e até mesmo água de um rio local altamente poluído:

“Também experimentei com a água poluída do rio Tietê. E, para minha surpresa, a água poluída deste rio rendeu tanto quanto a água ideal. Por isso, hoje uso a água do rio Tietê como combustível para a minha moto.”

Mas não há bela sem senão. O veículo criado por Ricardo Azevedo é menos poluente mas o hidrogénio é altamente inflamável por isso é preciso encontrar soluções para resolver as questões de segurança que se colocam. (EURONEWS)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA