Bibiana Nandombua reeleita secretária provincial da OMA

(Foto: Edilson Domingos)

As delegadas a X assembleia provincial de balanço e renovação de mandatos da OMA no Huambo, realizada sexta-feira, reelegeram Bibiana Nandombua como secretaria local da agremiação.

Durante o evento, decorrido no pavilhão Osvaldo Serra Van-dúnem, com a participação de 445 delegadas dos 11 municípios da província, foram releitas também Beatriz Tutuvala Filipe, como secretaria provincial adjunta e Felícia Jamba, para o departamento de promoção da mulher e novas tecnologias.

Para coordenadora das área de solidariedade e aconselhamento do género foi eleita, Marta Domingas da Fonseca, enquanto Delfina Balombu e a responsável da comissão de disciplina e auditoria.

Durante a X assembleia provincial de balanço e renovação de mandatos foram ainda eleitas 117 militantes a membros do comité provincial, 11 candidatas a membros do Comité Nacional da OMA, assim como foram escolhidas 82 delegadas ao VI congresso nacional da organização, a ser realizado em Março.

Ao discursar no encerramento da actividade, a coordenadora do grupo de acompanhamento do Comité Nacional da OMA à província do Huambo, Albertina Teresa José, disse que o processo de eleição obedeceu os estatutos e as orientações contidas nas directivas e regulamentos aprovados superiormente.

Afirmou que foram cumpridas as cifras estabelecidas para a renovação e para a continuidade, tendo enaltecido o esforço realizado pelas militantes abrangidas na renovação e reconheceu o dinamismo das que terminaram os seus mandatos.

Para as eleitas nos diferentes cargos, a coordenadora recomendou a continuarem a estudar os documentos da OMA, sobretudo, os do VI congresso, de modo a garantirem a sua aplicação.

Disse ser fundamental haver presença das dirigentes na base, bem como a necessidade de se promover estudos dos estatutos e programas de acção no meio rural e urbano, divulgando, assim as acções da agremiação e do partido.

Por outro lado, reafirmou a convicção da OMA de que só com esforço colectivo e sacrifícios repartidos se poderá construir uma Angola próspera, democrática e desenvolvida de que as futuras gerações se possam orgulhar. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA