Benguela: Baía Farta reforçada com 24 novas salas de aulas

(DR)

A rede escolar no município da Baía Farta, cerca de 25 quilómetros a Sudoeste da cidade de Benguela, vai ser reforçada no presente ano lectivo com 24 novas salas de aulas, facto que permite o ingresso de mais crianças no sistema de ensino.

De acordo com o administrador municipal adjunto da Baía Farta, Basílio Jesse, as novas salas destinam-se ao ensino primário e 1º ciclo do ensino secundário e entram em funcionamento nos próximos dias, no quadro da expansão da rede escolar.

Com efeito, explicou Basílio Jesse, estão em fase conclusiva as obras de construção de 12 salas de aulas, situadas a Sul da orla marítima, e outras 12 na sede municipal da Baía Farta, no âmbito da construção do projecto de uma escola secundária do 1º ciclo, que vai leccionar a 7ª, 8ª e 9ª.

A fonte indicou que estas construções estão inseridas no Programa de Investimentos Públicos (PIP) e no Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza (PMIDRCP).

Anunciou, por outro lado, estar ainda em estudo na Direcção Provincial de Saúde a abertura neste ano de quatro (4) salas anexas na Baía Farta, para albergar aulas da Escola de Formação de Técnicos de Saúde de Benguela (ex-Instituto Médio de Saúde-IMS).

Durante o presente ano lectivo, a Baía Farta conta com 221 salas de aulas de construção definitiva e 87 provisórias, além de 67 espaços alternativos, para um efectivo escolar de 59 mil 650 alunos matriculados, sendo que o ensino é assegurado por mil e 310 professores, dos quais três cubanos.

No município da Baía Farta foram matriculados no ano passado 59 mil e 613 alunos em todos os subsistemas do ensino geral, sendo que 22 mil e 962 destes frequentaram o ensino primário.

O aproveitamento escolar esteve acima dos 64 porcento.

Entretanto, a abertura do ano lectivo de 2016 antecedeu um seminário pedagógico dirigido aos professores, que durante cinco dias actualizaram conhecimentos em metodologia de ensino da Língua Portuguesa, Matemática e Educação Física, além da monodocência no ensino primário e do tratamento dos módulos I, II e III. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA