Banco de Moçambique volta a aumentar taxas de juro de referência

O Banco de Moçambique aumentou, ontem, as taxas de juro de referência num ponto percentual nos créditos para 10,75% e em 0,5 para 4,25% dos depósitos Foto: Lusa/D.R

O Banco de Moçambique aumentou hoje as taxas de juro de referência num ponto percentual nos créditos para 10,75% e em 0,5 para 4,25% dos depósitos, justificando com a conjuntura económica adversa, desastres naturais e subida da inflação.

Na base da decisão do Comité de Política Monetária do Banco de Moçambique, hoje reunido em Maputo, são destacados “o crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] abaixo das previsões iniciais, pressão inflacionária e deterioração dos indicadores do setor externo”.

O mesmo comité tinha aumentado as taxas de juro de referência e pelo terceiro mês consecutivo em dezembro, numa altura em que a economia moçambicana começou a sentir os efeitos de uma vertiginosa desvalorização do metical face ao dólar, descida do investimento estrangeiro e da ajuda externa, redução das exportações e inflação crescente.

Além da conjuntura interna internacional descrita como “adversa” e da “prevalência de riscos acrescidos” também nos principais dados macroeconómicos de Moçambique, o Comité de Política Monetária teve ainda em consideração “os efeitos esperados da estiagem nas regiões sul e centro do país e das cheias na região norte”.

O órgão do Banco de Moçambique realça igualmente que, segundo o Instituto Nacional de Estatística, a confiança empresarial, expressa pelo indicador de clima económico, reduziu, pelo quarto mês consecutivo, em dezembro, “refletindo a avaliação desfavorável dos empresários inquiridos em relação ao emprego atual, assim como as perspetivas de emprego e de preços”.

O Comité de Política Monetária tomou nota do aumento em janeiro da inflação homóloga e média anual para 11,25% e 4,27%, respetivamente, o que, no caso de Maputo, reflete a seca no sul do país, depreciação do metical face ao dólar e agravamento de preços na África do Sul, o principal fornecedor de bens a Moçambique.

Noutra decisão hoje tomada, o Banco de Moçambique vai intervir nos mercados interbancários para garantir o cumprimento da meta indicativa da base monetária de fevereiro de 2016, fixada em 68.163 milhões de Meticais (1,2 mil milhões de euros) e manter o coeficiente de reservas obrigatórias em 10,5%.

Dados provisórios avançados pelo Banco de Moçambique indicam que, em janeiro, o saldo das reservas internacionais líquidas reduziu em 124,5 milhões de dólares (111 milhões de euros) para 1,8 mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros).

O saldo das reservas internacionais brutas correspondeu a 3,1 meses de cobertura das importações de bens e serviços não fatoriais, quando excluídas as operações dos grandes projetos. (Agência Lusa – HB/EL)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA