Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro festeja 37º aniversário do baptismo

Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro (Foto: Francisco Miúdo)

Os tempos mudam, as coisas alteram, os contextos variam, assim como existem realidades e factos que não mudam. Falo de casos de aniversários ou efemérides mas, para este momento, trato do Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro que hoje, 3, assinala o seu 37º aniversário desde que foi baptizado com a denominação desta gesta histórica do povo angolano.

A referida designação foi adoptada em cerimónia realizada, no referido recinto, a três de Fevereiro de 1979, pelo primeiro presidente da então República Popular de Angola, que descerrou uma placa na zona frontal do edifício.

Anos depois, a 27 de Dezembro de 2009, o aeroporto, ao beneficiar de obras de remodelação, ampliação e modernização, recebe a visita do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que deixa também o seu reconhecimento pela importância da referida infraestrutura, repetindo o gesto do primeiro presidente angolano numa placa colocada ao lado da outra.

A sua reabilitação, modernização e reequipamento, elevou e dignificou a imagem daquela infraestrutura que acolhe e ou suporta a maior fronteira do país em termos de movimentação de passageiros que entram e saem de Angola pelo espaço aéreo.

O antigo Aeroporto de Belas, ao passar a ter a denominação de “4 de Fevereiro”, praticamente, como infraestrutura, passou a adoptar o espírito heróico dos angolanos, se tivermos em conta a importância estratégica que jogou para manter a soberania nacional em tempo de guerra.

Foi tão somente uma das poucas ou praticamente a única entrada da logística alimentar e militar, que ajudou o país a suportar os ataques inimigos e derrotá-los.

Outro contributo relevante relaciona-se com o facto de ter sido também, um dos pontos para ligações com outras áreas do país, onde havia dificuldade de mobilidade via terrestre, viajando-se mais por aviões, visto que por estradas havia muitos riscos de acidentes e incidentes.

A confiança de ser uma instituição séria e a altura de garantir operações seguras de voos, vem no testemunho de várias companhias europeias e africanas que operam para Angola, assim como de outras transportadoras aéreas que não deixam de manifestar interesse em observar suas aeronaves a operar no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.

A abertura, no ano de 2015, de um denominado Aero Business Center, potencia ainda mais a renda “non aviation” da empresa gestora do recinto, a ENANA.

Ao comemorar mais um aniversário, os trabalhadores e a instituição gestora continuarão a sentir-se regozijados com o que têm feito em prol da nação. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA