Abertura dos mercados: Bolsas sobem mais de 1%, petróleo também em alta

(Bloomberg)

A ideia de que há margem para estímulos à economia, demonstrada pelo banco central chinês, está a animar os mercados. As acções estão a avançar mais de 1%, sendo que os preços do petróleo também estão a beneficiar.

Os mercados em números

PSI-20 sobe 1,27% para 4.721,04 pontos
Stoxx Europe 600 avança 1,31% para 330,83 pontos
Nikkei soma 0,30% para 16.188,41 pontos
Juros da dívida portuguesa a 10 anos caem 1,3% para 3,318%
Euro ganha 0,10% para 1,1029 dólares
Petróleo ganha 0,43% para 35,44 dólares por barril em Londres

Europa ganha mais de 1% acompanhando Ásia

As acções asiáticas subiram em força, aproveitando o fecho positivo de Wall Street, registando a segunda semana consecutiva de avanços. O MSCI Ásia Pacífico somou 0,6%. O banco central da China anunciou que tem espaço para mais estímulos monetários, o que animou os investidores. O G20, que reúne as 20 maiores economias do mundo em Xangai, vai reunir-se e os estímulos económicos poderão ser um tema em discussão.

Neste contexto, as bolsas europeias estão a ganhar. O Stoxx Europe 600 segue a somar 1,31% para 330,83 pontos. O PSI-20 avança 1,27% para 4.721,04 pontos, sendo que as acções estão a subir mais de 1% em praticamente todas as praças europeias.

Juros da dívida voltam a recuar

As taxas de juro da divida soberana portuguesa estão em queda esta sexta-feira. É a segunda sessão consecutiva, com a “yield” das obrigações a 10 anos a recuar 1,3 pontos base para 3,318%, numa tendência acompanhada pelos juros de Espanha e Itália. Já a taxa da dívida alemã na mesma maturidade avança 0,4 pontos para 0,142%, traduzindo numa queda do “spread” de Portugal para 317,4 pontos.

Moeda única avança

O euro voltou hoje a subir depois de alguns dias a cair muito ligeiramente. Ainda assim, está nos valores mais elevados desde o início de Fevereiro, altura em que começou a ganhar devido aos receios de um “Brexit”. A moeda única europeia segue a somar 0,10% para 1,1029 dólares.

Uma nota para o iene, que poderá fechar o mês de Fevereiro como o melhor mês desde 2008, com a procura por refúgio: a moeda japonesa avança 7,5% face ao dólar americano no segundo mês do ano.

Petróleo avança em Nova Iorque e Londres

O crude negociado em Nova Iorque está a subir há cinco dias consecutivos, embora esta sexta-feira a valorização seja mais tímida em comparação, por exemplo, com segunda-feira, em que o ganho foi de 6%. No final da semana passada, o barril era transaccionado por menos de 30 dólares. Agora, os contratos para entrega futura da matéria-prima estão nos 33,31 dólares ao ganhar 0,73%.

Já em Londres, mercado de referência para Portugal, em que a semana nem sempre foi tão positiva como para o West Texas Intermediate, o Brent do Mar do Norte segue a avançar 0,43% para 35,44 dólares por barril.

Ouro cede muito ligeiramente mas vai para melhor mês desde 2012

Tal como o iene, o ouro tem beneficiado dos receios dos investidores no mês de Fevereiro que procuram activos de refúgio.

O metal precioso para entrega imediata já esteve hoje a avançar 0,6% embora siga agora a ceder muito ligeiramente, 0,01%, para 1.232,80 dólares por onça. Ainda assim, Fevereiro pode ser o melhor mês desde 2012.

Destaques do dia

Novo Banco vai fazer um despedimento histórico. A instituição financeira comprometeu-se com Bruxelas a rescindir com 1.000 trabalhadores. Cerca de 500 já foram alvo de saídas através de rescisões ou reformas antecipadas. A outra metade deverá ser despedida, num processo que deverá demorar três meses.

As taxas de juro negativas são uma realidade na economia actual. Mas têm alguns perigos e também podem afectar as margens dos bancos. Há quem beneficie, como as famílias, que pagam menos nos empréstimos pedidos.

Esta sexta-feira é dia de eleições na Irlanda. O país que foi resgatado na mesma altura em que Portugal vai a votos depois de, em 2015, ter sido um dos países que mais cresceu em todo o mundo.

Às urnas vão também os eleitores no Irão. Esta sexta-feira é dia de escolha do Parlamento mas também da Assembleia de Peritos, o órgão que vai depois nomear o Supremo Líder do Irão.

Royal Bank of Scotland apresentou os resultados. Foi o oitavo ano consecutivo de prejuízos. Em 2015, os custos de litigância continuam a pesar na instituição financeira que ainda é detida, em 70%, pelo Estado.

Eni reportou prejuízos. A desvalorização do preço do petróleo afundou as contas da italiana Eni, antiga accionista da Galp Energia. Um comportamento que tinha acontecido também às restantes petrolíferas.

O que vai acontecer hoje

EUA. Será conhecido o produto interno bruto (PIB) dos EUA no quarto trimestre de 2015.

Zona Euro. O Eurostat publica índices de confiança dos consumidores e empresários, em Fevereiro.

INE. O INE divulga os resultados dos Inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores.

“Rating”. A Moody’s tem agendada uma possível revisão do “rating” da Grécia.

Eleições. A Irlanda e o Irão realizam eleições legislativas. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA