Abertura dos mercados: Bolsas europeias e petróleo em alta. Libra em queda

(Bloomberg)

As bolsas europeias estão a negociar em alta. Os preços do petróleo estão a subir numa altura em que há notícias que apontam que as negociações para o congelamento da produção devem estar terminadas a 1 de Março

Os mercados em números

PSI-20 soma 1,45% para 4.774,42 pontos

Stoxx 600 avança 1,13% para 330,07 pontos

Nikkei subiu 0,90% para 16.111,05 pontos
Juros da dívida portuguesa a 10 anos cedem 5,2 pontos base para 3,386%

Libra desce 1,01% para 1,2811 euros

Petróleo sobe 2,45% para 33,82 dólares por barril em Londres

Bolsas europeias em alta

As principais praças europeias arrancaram a semana em alta. Por esta altura, a liderar os ganhos no Velho Continente está o principal índice holandês, que valoriza 1,54%, seguido do PSI-20, que cresce 1,45%. O Stoxx 600, índice de referência da região, soma 1,13%.

Este comportamento tem lugar após os ganhos registados nos mercados asiáticos. No Japão, o Nikkei encerrou a sessão a somar 0,90% e o Topix a subir 0,63%. Na China, o Shanghai Composite Index fechou a ganhar 2,35%. O mercado acredita que o novo regulador do mercado de capitais chinês consiga impulsionar o segundo maior mercado bolsista do mundo, segundo a Bloomberg.

Juros abaixo dos 3,5%

Os juros da dívida pública portuguesa no mercado secundário estão a descer em quase todos os prazos. Os juros exigidos pelos investidores para trocarem dívida a dez anos entre si recuam 5,2 pontos base para 3,386%. No caso da Alemanha, verifica-se uma subida das “yields” em todas as maturidades. A dez anos, os juros avançam 0,2 pontos base para 0,203%.

O prémio de risco da dívida nacional está nos 316 pontos. Este comportamento da dívida pública negociada entre investidores tem lugar num dia em que começam as discussões no Parlamento sobre o Orçamento do Estado para este ano.

Libra em queda
A libra reagiu em alta ao acordo alcançado por David Cameron mas, rapidamente, regressou às quedas após ser confirmado que Boris Johnson – presidente da Câmara de Londres – vai fazer campanha pelo Brexit. “Vou defender o voto para a saída do Reino Unido da União Europeia no referendo. Não queria ir contra David Cameron mas quero um acordo melhor para as pessoas deste país”, afirmou este domingo o mayor de Londres. Boris Johnson junta-se, assim, a cinco membros do Executivo de David Cameron que logo após o conselho europeu se demarcaram do acordo alcançado em Bruxelas e anunciaram que vão fazer campanha a favor da saída do Reino Unido da União Europeia.

A libra recua, face à moeda da Zona Euro, 1,01% para 1,2811 euros. Em relação ao dólar, a moeda britânica desce 1,39% para 1,4206 dólares. Já o euro desce 0,37% para 1,1089 dólares.

Fim das conversações para congelar produção impulsiona petróleo

Os preços do petróleo nos mercados internacionais estão a subir. O Brent do Mar do Norte, que serve de referência para as importações europeias, está a ser impulsionado pelo facto de a Rússia – país produtor de petróleo – ter revelado que as negociações com vista ao congelamento da produção devem estar terminadas até dia 1 de Março. O ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, em declarações à estação pública russa, e citado pela Bloomberg, avançou que o Irão teve uma posição “construtiva” no que diz respeito ao acordo alcançado na semana passada para congelar a produção da matéria-prima. Não explicitou, no entanto, se o Irão vai juntar-se a este pacto. Já a Nigéria, que apoia o plano, considera que o Iraque e o Irão devem poder recuperar a quota de mercado. Por esta altura, o barril de Brent sobe 2,45% para 33,82 dólares. O West Texas Intermediate, negociado em Nova Iorque, cresce 3,14% para 30,57 dólares por barril.

Zinco em mercado touro

O zinco subiu nesta sessão para o valor mais elevado desde Outubro para negociar próximo do mercado touro (bull-market) numa altura em que os cortes na produção desta matéria-prima limitam a oferta mundial. Em Xangai, o zinco chegou a subir 1,5% para 1.770 dólares por tonelada métrica – muito próximo do nível que representa uma subida de mais de 20% desde o valor mais baixo atingido em 12 de Janeiro.

Destaques do dia

Parlamento discute Orçamento ensombrado por plano B. Costa garante que tem apoio da esquerda e destaca aval da Comissão. Mas há sombras no horizonte. O Parlamento discute o Orçamento, enquanto nas Finanças se prepara um plano B para enviar a Bruxelas e aplicar caso a execução orçamental faça disparar os sinais de alerta.

Governo cria dossiês online com documentos pessoais de cidadãos e empresas. O Simplex 2016 vai incluir a criação de um dossiê online com informação relativa a cada cidadão ou empresa, cuja consulta estes poderão autorizar sempre que lhes sejam pedidos certidões ou comprovativos.

BCP, Pharol e Sonae, as eleitas para “jogar” na bolsa de Lisboa.Sem o Banif, desapareceu uma das cotadas eleitas pelos investidores que recorriam ao “day trading”. Mas continua a haver títulos que conjugam a liquidez com a elevada volatilidade, permitindo adoptar estratégias para ganhos rápidos. Conheça as três preferidas dos analistas.

Combustíveis sobem até dois cêntimos esta segunda-feira. Atestar o depósito vai voltar a ficar mais caro. Se na última semana a culpa foi do aumento do ISP, desta vez o aumento tem por base a valorização das cotações nos mercados internacionais. O gasóleo subirá mais que a gasolina.

O que vai acontecer esta segunda-feira

Portugal.

O Parlamento discute Orçamento do Estado na generalidade (até dia 23).

O Banco de Portugal divulga o Boletim Estatístico.

O INE publica o Índice de Novas Encomendas na Construção e Obras Públicas, no quarto trimestre de 2015.

EUA

São conhecidos os índices PMI da Markit para a indústria, em Fevereiro. A anterior leitura foi de 52,4 pontos e as estimativas apontam para um valor de 52,5 pontos.

Zona Euro

São divulgados os índices PMI da Markit para a indústria, em Fevereiro. O valor anterior situou-se em 52,3 pontos e a estimativa para a nova leitura é de 52 pontos. (Jornal e Negocios)

por Ana Laranjeiro | Ana Luísa Marques

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA