Vinte e cinco famílias realojadas no quadro da ampliação da barragem de Cambambe

Uma das fases das obras em curso na barragem de Cambambe (Foto: Pedro Parente)

Vinte e cinco famílias que habitavam na margem esquerda do rio Kwanza, escassos quilómetros a montante da barragem de Cambambe, foram realojadas num bloco residencial construído no âmbito do projecto de ampliação e modernização do complexo hidroeléctrico.

As referidas famílias foram desalojadas de uma zona considerada vulnerável às inundações a serem provocadas pelo aumento da capacidade da albufeira da barragem de Cambambe, no quadro das obras em curso.

Numa recente visita (dia 21) ao empreendimento, o secretário de Estado da Energia, Joaquim Ventura, disse que a barragem conhece um investimento que inclui o alteamento da queda, que passará de 100 para 132 metros, o que irá provocar o aumento do volume de águas na albufeira, com consequências directas para as populações ribeirinhas, daí a tomada de providências para a protecção destas.

Para o efeito, foi identificada uma área de maior segurança, afastada do rio, em território da vizinha província do Cuanza Sul, onde foram edificadas residências com condições condignas de habitabilidade, com abastecimento de energia eléctrica e de água canalizada.

Joaquim Ventura sublinhou ainda o facto de o anterior modelo de vida levado por aquela população traduzir-se numa dispersão das famílias que agora se vêm unidas num bairro, o que permitiu a prestação de serviços essenciais.

A empreitada afectou, igualmente, a ponte do “Kiamafulo”, de acesso ao sul do país a partir do Dondo, tendo para o efeito sido construída, na zona a montante, uma outra com 111 metros de comprimento e sete de largura.

Edificada para acautelar vários riscos, a nova ponte dispõe de duas faixas de rodagem, encontrando-se as obras da sua construção na fase final.

A travessia com capacidade para suportar 60 toneladas está agregada a estrada nacional número 210 através de um troço novo, asfaltado, num percurso de seis quilómetros, visando impedir definitivamente a circulação pela antiga ponte. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA