Vida mais cara em Angola em 2016

(DW)

A economia angolana deverá crescer este ano 3,3%, menos de metade do período pré-crise, diz o Banco Mundial. O custo de vida será mais caro em 2016, prevê economista. A subida de preços já pesa no bolso da população.

Angola deverá acelerar ligeiramente a expansão económica em 2016, passando de 3% em 2015 para 3,3% este ano, o que representa um crescimento de menos de metade do período pré-crise petrolífera, de acordo com as “Perspectivas Económicas Globais” do Banco Mundial, divulgadas quarta-feira (06.01) em Washington.

O abrandamento do crescimento económico “foi mais pronunciado entre os exportadores de petróleo”, nomeadamente Angola e Nigéria, os maiores exportadores da região, lê-se no documento.

Antes de serem conhecidas das previsões do Banco Mundial, os angolanos sentiam já as dificuldades da economia: a 1 de Janeiro registou-se o quarto aumento no preço dos combustíveis em menos de dois anos. A população teme que haja mais subidas e o encarecimento do custo de vida.

A DW África conversou sobre as perspectivas económicas para o país em 2016 com o economista angolano Francisco Paulo, investigador do Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) da Universidade Católica de Angola.

DW África: Em Angola, o ano começou com a subida do preço dos combustíveis. E também já se temem outros aumentos. O que é que isto poderá representar para os cidadãos?

Francisco Paulo (FP): Na verdade, o custo de vida será muito caro. Não tem sido fácil, especialmente no último ano. Em meados de 2015, a flutuação da taxa de câmbio e mesmo os aumentos anteriores do preço dos combustíveis fizeram com que, em termos reais, a população tivesse um poder de compra muito reduzido. A taxa de inflação está muito mais alta em relação aos anos anteriores. Estamos num país em que a rede eléctrica nacional não funciona devidamente. Há sistematicamente cortes de energia. O normal é as pessoas não terem electricidade da rede pública. Então, recorrem ao uso de geradores. Imagine o que é todos os dias ter de comprar combustível para abastecer o gerador, porque senão o frigorífico não funciona e não têm como conservar os seus frescos.

DW África: E em termos de perspectivas económicas, podemos esperar um ano difícil para Angola?

FP: Podemos. E creio que o Governo vai ter de rever em baixa a taxa de crescimento. Ele prevê que eventualmente a economia cresça 4% ou 3%.

DW África: E como é que esta situação difícil em que o país se encontra poderia ter sido evitada?

FP: Desde o boom do preço do petróleo, desde que o país conseguiu a paz em 2002, depois tivemos uma época favorável no preço do petróleo. Podíamos muito bem ter acumulado reservas, que iam fazer face a essa situação. Há necessidade de gerir o erário público de uma forma transparente e evitar os gastos supérfluos.

A contenção das despesas tem de começar no aparelho governamental. E tem de ser mais transparente. Até agora, o Governo ainda não prestou contas. Sempre que o petróleo esteve em baixa, o preço do petróleo no Orçamento foi sempre muito abaixo do preço do mercado. Houve sempre um remanescente. Onde está o excesso? Ninguém sabe.

DW África: Também há notícias de que o kwanza desceu 15% no mercado oficial. Nunca perdeu tanto valor desde a guerra civil. O que perspectiva para a moeda angolana nos próximos tempos?

FP: A nossa moeda está em queda livre, de facto. O Banco Nacional de Angola (BNA) ficou quase dois ou três meses sem mexes na taxa de câmbio. Mexeu agora, logo no princípio de dezembro. O BNA poderá ou vai desvalorizar ainda mais o kwanza, porque o “spread” (diferença) entre o que o mercado paralelo pratica e o que pratica o sistema bancário pode estar acima dos 70%. Em qualquer país normal, a desvalorização da moeda é uma boa política em termos económicos, se este país exportar. Infelizmente, nós não exportamos quase nada.

O único produto de excelência que exportamos é o petróleo. Por isso, daqui a mais algum tempo, o próprio BNA terá de desvalorizar novamente a moeda para conter as reservas internacionais líquidas. Por que é que isso não foi feito antes? A taxa de inflação nos meses de Setembro e outubro aumentou significativamente. Alterar essa taxa em outubro ou Novembro poderia ter como impacto uma subida geral de preços. Faria com que o pais, Luanda especialmente, registasse uma inflação muito acima da prevista pelo Governo.

DW África: Este ano, Angola também vai começar a usar a nova linha de financiamento da China. E está igualmente previsto um acordo monetário entre os dois países. Como acha que o Estado angolano vai responder a este aumento da dependência económica em relação à China?

FP: A China é neste momento o principal parceiro comercial de Angola. O próprio processo de reconstrução nacional foi feito com um empréstimo chinês. O retorno social que obtemos das infra-estruturas que foram construídas com dinheiro chinês é muito baixo, porque a qualidade das mesmas deixa muito a desejar. Iremos ganhar mais com esse acordo se a qualidade das obras que são executadas for, de facto, de um padrão internacional. É preciso que seja durável e que o retorno económico seja aceitável.

Quanto ao novo acordo monetário com a China, é uma forma de Angola escapar da armadilha do dólar. Em termos cambiais, isso iria aliviar o sistema financeiro, porque os angolanos ao irem para a China, em vez de levar dólares, poderão comprar produtos com kwanzas ou levar ienes daqui e comprar na China. Isso vai facilitar no sentido em que não haverá tanta pressão de comprar dólares para se fazer importações da China. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA