Síria: 400 pessoas em Madaya precisam ser evacuadas com urgência

(AFP)

Ao menos 400 civis da cidade síria sitiada de Madaya “necessitam ser evacuados de maneira urgente”, informou nesta segunda-feira o embaixador da Nova Zelândia nas Nações Unidas, Gerard van Bohemen.

O diplomata se expressou ao final da rodada de consultas no Conselho de Segurança da ONU sobre a situação nesta cidade ocupada por grupos rebeldes e cercada há seis meses pelas tropas leais ao regime do presidente Bashar al Assad, à qual nesta segunda-feira chegou um primeiro comboio de ajuda humanitária.

Os embaixadores dos 15 países integrantes do Conselho foram informados sobre a situação na Síria pelo responsável de operações humanitárias da ONU, Stephen o’Brien.

Van Bohemen não precisou as razões de seu pedido urgente de evacuação, limitando-se a assinalar que as pessoas envolvidas estão em “situação crítica”.

A população de Madaya está faminta após seis meses de sítio, segundo organizações humanitárias.

“É importante destacar que sitiar (uma população civil) com o objectivo de fazê-la passar fome é um crime de guerra”, destacou o embaixador espanhol Román Ozargún Marchesi, que qualificou de “positiva” a autorização de Damasco para que Madaya seja abastecida.

Espanha, Nova Zelândia e França solicitaram a realização desta rodada de consultas do Conselho, que “continuará monitorizando a situação”, segundo o diplomata espanhol.

O regime concordou, na semana passada, em autorizar a entrega de alimentos em Madaya, o que também será permitido em outros povoados sitiados e controlados por rebeldes.

Os primeiros camiões com alimentos e medicamentos chegaram nesta segunda-feira a Madaya.

“Deve ser um início, e não apenas uma operação pontual”, disse Gerard van Bohemen.

Ao menos 400.000 pessoas vivem em zonas sitiadas por tropas do regime ou por grupos armados rebeldes e não podem receber abastecimento, segundo a ONU. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA