Secretário de Estado aborda cooperação com CEA

Manuel Augusto - Secretário de Estado das Relações Exteriores (Foto: Alberto julião/Arquivo)

O secretário de Estado das Relações Exteriores, Manuel Augusto, manteve neste domingo, um encontro de trabalho com o secretário executivo da Comissão Económica (CEA) das Nações Unidas para a África, Carlos Lopes.

O encontro realizou-se à margem da Cimeira da União Africana, que desde sábado decorre na sede da organização continental, na capita da Etiópia e com encerramento previsto para hoje.

“O encontro insere-se no âmbito do cumprimento de uma mandato atribuído pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que criou, através do Despacho Presidencial 113/15, um grupo de trabalho intersectorial encarregue de estudar e propor formas de estreitamento da cooperação entre o governo angolano e a CEA”, disse.

Falando à imprensa no termo da conversa, Manuel Augusto explicou que a CEA é um órgão das Nações Unidas virado para o apoio ao desenvolvimento económico e social do continente africano.

Baseado em Addis Abeba (Etiópia), o referido órgão tem por missão auxiliar os governos a formularem políticas que sejam as mais adequadas para o desenvolvimento do continente, clarificou.

Acrescentou que a capacidade da CEA resulta de um conhecimento acumulado e principalmente do controlo de resultados de várias experiências realização a nível do continente.

“Este encontro formal com o secretário executivo da CEA para estabelecermos um cronograma de acções entre a sua instituição e o grupo intersectorial de que já me referi”, rematou o responsável.

Frisou que a partir deste momento vai-se implementar o cronograma a acertar e que vai compreender, nomeadamente, a troca de missões técnicas para avaliação das áreas e do seu potencial em termos de cooperação.

O trabalho do grupo será submetido às entidades competentes do país para, se assim for o entendimento superior, a assinatura de um acordo entre Angola e a CEA, disse.

Manuel Augusto salientou que a cooperação vai incidir na assistência técnica e na assessoria nas aéreas ligada ao desenvolvimento económico e social: os sectores da indústria e do comércio.

Sublinhou que no âmbito dessa possível cooperação estará também a troca de experiências entre Angola e a CEA naqueles domínios em que o país já provou estar avançado.

Neste sentido, exemplificou os sectores minério e dos petróleos, onde a experiência de Angola é vista para CEA como uma mais-valia que poderá ser posta ao serviço de outros países africanos. (ANGOP)

DEIXE UMA RESPOSTA