Repartição da saúde no Kilamba Kiaxi pede vigilância devido ao surto de febre-amarela

Aedes Aegypti - mosquito transmissor da Febre-amarela, Dengue e Zika Vírus Foto: Luis Robayo)

O responsável da Repartição de Saúde no Distrito Urbano do Kilamba Kiaxi, município de Luanda, Bulama Buya, alertou à população a estar vigilante e reforçar as medidas de higiene devido ao surto de Febre Amarela que está assolar a província de Luanda.

O médico que falava depois de uma palestra sobre a Febre-amarela, exortou a população a usar mosquiteiro ao dormir, limpar no interior e ao redor das residências e acabar com as águas estagnadas.

Aconselhou à população a dirigir-se de imediato a um centro de saúde próximo da área de residência aos primeiros sintomas da doença como febre súbita, cefaleia (dor de cabeça), fraqueza e vómitos.

Exortou às pessoas que estiverem a se sentir mal para não esperarem que a doença se agrave e complicar o tratamento.

O médico esclareceu que a Febre-amarela é uma doença hemorrágica viral aguda, transmitida por mosquitos infectados e não tem tratamento especifico, sublinhando que o acompanhamento médico destina-se a reduzir os sintomas para o conforto do paciente.

Disse que a prevenção é o único meio de combate à esta doença que não tem cura e insistiu nas medidas de controlo, tanto a nível da população como institucional.

Indicou como medidas de controlo a intensificação das actividades de saneamento básico como a limpeza das valas, recolha de lixo, drenagem das águas e eliminação de charcos, reforço do combate do vector nos pontos de entrada de viajantes, a vacinação, mobilização social e controlo vectorial.

Nas áreas urbanas, a Febre-amarela é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, de cor preta e pintas brancas, o mesmo transmissor da dengue.

O período de incubação da doença vária de nove a 12 dias, de acordo com a temperatura ambiente.

Até ao momento, de acordo com o médico, o Distrito já registou sete casos suspeitos a nível do Hospital Geral Especializado do Kilamba Kiaxi, que é o ponto de referência para atender casos do género. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA