Portugal: BCP volta a afundar e já perde 28% em cinco dias

(Bruno Simão/Negócios)

As acções do BCP estão a destacar-se na bolsa de Lisboa com uma forte queda. Já chegaram a perder 9% nos primeiros minutos de negociação.

As acções do BCP estão novamente a negociar em forte queda na bolsa portuguesa. Depois de na última sessão terem encerrado com uma desvalorização de quase 10%, os títulos já chegaram a perder mais de 9% na abertura. Em cinco dias, o banco tomba mais de 28%, renovando mínimos de Setembro de 2012.

O BCP está a prolongar o sentimento negativo das últimas quatro sessões. Segue a cair 5,7%, para negociar em 3,33 cêntimos, mas já esteve a desvalorizar 9,1%. Isto apenas nos dois primeiros minutos de negociação. Com mais esta queda, o banco eleva para 28,10% a descida acumulada em cinco dias.

Os títulos da banca têm estado a ser penalizados pela subida da percepção de risco do país, mas também pelos receios em torno dos impactos negativos da recapitalização do Novo Banco para o sector.

Uma notícia avançada pelo Financial Times no início desta semana avançava que a forma como o Banco de Portugal decidiu recapitalizar o antigo BES – através de perdas nos credores seniores – penaliza os bancos da periferia.

As implicações negativas deste modelo estão a preocupar os investidores. Segundo o Haitong, esta foi uma das principais preocupações transmitidas pelos investidores institucionais que se reuniram com cotadas ibéricas no final da semana passada, na Conferência Ibérica organizada pelo banco de investimento.

“Os investidores estavam particularmente preocupados com as implicações negativas resultantes da recapitalização do Novo Banco ao imporem perdas na dívida sénior”, diz a nota do Haitong publicada esta terça-feira, 19 de Janeiro.

Além do Novo Banco, os investidores alertam para as incertezas que o BCP enfrenta na Polónia, em relação à conversão de créditos em francos suíços para zlotys no país.

Steven Santos, do banco BIG, disse ontem ao Negócios que “desde que se perdeu a zona de suporte dos 0,04 euros que o título está desapoiado em termos técnicos, o que facilita quedas adicionais. A execução de ordens ‘stop limit’ [definir previamente o preço a partir do qual a ordem é executada] depositadas cria um efeito pernicioso que acaba por acentuar as quedas”.

Eduardo Silva, gestor da XTB, assinala o “aperto na regulamentação do sector, endividamento, exposição à Mota-Engil e nervosismo dos investidores estrangeiros quanto à actuação do governo nas resoluções do sector” como fontes de pressão da banca nacional.

O Negócios noticia esta quarta-feira que a Mota-Engil e o BCP são os títulos mais procurados pelos investidores que apostam nas quedas. No banco a proporção das posições curtas aumentou face ao início do ano passado de 3,06% para 3,78%. Há quatro fundos de cobertura de risco com posições curtas acima de 0,5% (Lansdowne Partners, Oceanwood Capital, TT International e Marshall Wace).  (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA