Papa condena a violência, ‘em contradição com as três religiões monoteístas’

(AFP)

O Papa Francisco pediu neste domingo durante sua primeira visita à sinagoga de Roma que judeus e católicos “se comprometam a reforçar a paz e a justiça” e condenou a violência, “em contradição com as três grandes religiões monoteístas”.

“Conflitos, guerras, violência e injustiças abrem feridas profundas na humanidade e nos chamam a reforçar o compromisso pela paz e pela justiça. A violência do homem contra o homem é uma contradição para toda religião, em particular para as três grandes religiões monoteístas”, advertiu o Papa argentino.

Diante de cerca de 1.500 convidados, incluindo líderes e representantes da comunidade judaica italiana, Francisco mencionou suas visitas à sinagoga em Buenos Aires e “laços espirituais” que foram desenvolvidos ao longo do último meio século com os “irmãos mais velhos” – termo empregado pelo Papa João Paulo II.

Francisco também lembrou “as seis milhões de judeus vítimas da mais desumana das barbáries”, o holocausto nazista, para cumprimentar alguns dos sobreviventes que participaram da reunião.

“O passado nos deve servir como lição para o presente e para o futuro”, ressaltou.

Da sinagoga de Roma, de frente para uma das mais antigas comunidades judaicas do mundo, com 22 séculos de história, o papa repetiu solenemente a promessa feita durante o Concílio Vaticano II em 1965 através da declaração “Nostra Aetate”.

“Não a todas as formas de anti-semitismo e condenação de qualquer injúria, discriminação ou perseguição que surja”, disse. “De inimigos e estranhos, nos tornemos amigos e irmãos”, resumiu.

Em seu discurso, o papa condenou várias vezes a violência.

“Nem a violência, nem a morte terão a última palavra perante Deus, que é Deus de amor e da vida. Oremos com insistência para que nos ajude a praticar na Europa, na Terra Santa, no Oriente Médio e na África, em todo lugar do mundo, a lógica da paz, da reconciliação, do perdão”, pediu Francisco.

O pontífice chegou para sua primeira visita ao templo judaico em Roma em meio a forte esquema de segurança. Depois, colocou um buquê de flores na frente das duas placas comemorativas que recordam momentos dramáticos vividos pelos judeus da capital italiana.

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA