OPEP pede ajuda aos outros produtores para travar queda do petróleo

(Bloomberg)

O secretário-geral da OPEP, Abdullah al-Badri, apelou à colaboração entre os grandes produtores de petróleo, dentro e fora do cartel, para travarem a queda dos preços e recuperarem o investimento no sector.

O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) apelou esta segunda-feira, 25 de Janeiro, a um trabalho conjunto com os produtores fora do cartel para resolver o problema do excesso de oferta para que os preços possam recuperar, tal como o investimento no sector.

“É vital que o mercado resolva o problema do excesso de oferta. Como podemos ver em ciclos anteriores, assim que este excesso começa a diminuir, os preços começam a subir”, afirmou Abdullah al-Badri, numa conferência, em Londres, citado pela Bloomberg.

“Dada a forma como [este problema] se desenvolveu, deve ser visto como algo que os países da OPEP e fora da OPEP devem resolver juntos”, acrescentou o secretário-geral do cartel. “Sim, a OPEP foi responsável por parte da oferta adicional no ano passado, mas a maior parte provém de países fora da OPEP”.

Neste sentido, Abdullah al-Badri considera ser “crucial” que todos os grandes produtores se reúnam para chegar a uma solução que permita a recuperação dos preços e o retorno do investimento.

“O ambiente actual coloca esse futuro em risco. Com os níveis de preços actuais, é evidente que nem todos os investimentos necessários no futuro são viáveis”, constatou.

Depois da forte subida registada na passada sexta-feira – o Brent valorizou mais de 10% – a matéria-prima voltou às quedas nos mercados internacionais, no início desta semana. O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 2,24% para 31,47 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, cai 1,71% para 31,63 dólares.

No seu relatório mensal, divulgado na semana passada, a OPEP estima que os concorrentes, nomeadamente os produtores de petróleo de xisto nos EUA e Canadá, vão reduzir a produção, devido ao impacto dos preços baixos. Assim, a oferta de petróleo fora da OPEP deverá cair em 660 mil barris diários este ano. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA