OMA doa 200 toneladas de bens

Secretária Geral da OMA entrega bens em apoio às vítimas da seca no Cunene (Foto: José Cachiva)

Duzentas toneladas de materiais diversos foram doados sábado pelo secretariado Nacional da Organização da Mulher Angolana (OMA), em apoio às vítimas da seca que assola a província do Cunene.

Entre os bens entregues pela secretária-geral da Organização da Mulher Angolana (OMA), Luiza Inglês, constam 452 sacos de arroz, 60 de fuba, 200 de feijão, 176 caixas de óleo alimentar, 66 caixas de cadernos, 18 de lápis, 63 de esferográficas, 24 balões de roupa usada, 160 colchões e igual número de cobertores, 26 reservatórios de água de 5 mil litros, 300 enxadas e igual número de catanas e carros de mão e três mil brinquedos diversos.

Na ocasião, Luiza Inglês disse que o gesto visa juntar aos esforços levado do Executivo angolano e outros organismos, tendo em conta a situação de carência de bens alimentares, por parte da população derivada da seca que a província enfrenta.

“Este é um gesto de solidariedade, razão pela qual estamos aqui para trazer o nosso calor e apoio, pois sabemos que é uma gota no oceano face às necessidades da província. Mas de qualquer modo irá mitigar a fome de algumas famílias”, referiu.

Reconheceu os feitos da sua organização (OMA) na província, para que Cunene garantisse maior percentagem de voto ao MPLA nas eleições de 2012.

Lembrou que o Cunene foi palco de referência, onde decorreram grandes batalhas que resultaram em elevadas vitórias alcançadas para que hoje Angola pudesse desfrutar da paz, integridade e da inviolabilidade territorial, razão pela qual a OMA e outras organizações sociais devem solidarizar-se com os filhos desta parcela do país.

A secretária geral encorajou o governo do Cunene e comunidade local a pautarem pelo método de conservação e reserva de água, utilizada em tempos anteriores para reverter a morte do gado, em consequência da falta de água.

Por seu turno, o governador em exercício do Cunene, António dos Santos Candeeiro, disse que o gesto de solidariedade da OMA vem alinhar-se a outras iniciativas, sobretudo do governo central, liderado pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, em beneficio das famílias.

“Este fenómeno veio trazer uma desestabilização sócio-económica ao povo do Cunene, que depende simplesmente da pecuária e agricultura de subsistência, que tem provocado a movimentação de pessoas em busca de alimento, pasto e a água”, recordou.

Dados do governo do Cunene indicam que 755 mil e 678 pessoas estão afectadas pela seca, nos seis municípios da província. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA