Morre Pedro Miret, figura histórica da Revolução Cubana

Pedro Miret Prieto (DR/Arquivo)

Pedro Miret, um dos últimos sobreviventes da velha guarda da Revolução Cubana, junto aos irmãos Castro, e que participou do mítico ataque ao Quartel Moncada em 1953, morreu nesta sexta-feira aos 88 anos, segundo meios oficiais.

Afastado do poder comunista desde 2009, Miret faleceu de “um enfarto agudo do miocárdio”, reportou o jornal Grama.

O ex-dirigente cubano, que sempre manteve um perfil discreto, combateu junto a Fidel Castro no fracassado ataque ao Quartel Moncada, que apesar de ser um fracasso é considerado a primeira grande acção do movimento rebelde contra a ditadura de Fulgencio Baptista.

Engenheiro civil, Miret foi preso durante o assalto e depois, já livre, se somou ao Movimento 26 de Julho liderado por Castro – que se afastou do poder em 2008 por motivos de saúde – com o propósito de derrubar Baptista.

Exilado no México, também participou dos preparativos da expedição do iate Granma, no qual Castro voltou a frente de 81 homens para fazer a revolução.

Miret foi detido pelas autoridades mexicanas e não participou da expedição militar, mas encarregou-se de colectar armas e recursos para a guerrilha da Sierra Maestra.

Em 1958 voltou à ilha clandestinamente, lutou nas montanhas e no momento do triunfo da revolução, tinha o grau de Comandante do Exército Rebelde.

Número dois de Raúl Castro nas Forças Armadas Revolucionárias (FAR) – substitutas do Exército Rebelde – em 1959, foi ministro da Agricultura, assim como de Mineração, Metalurgia e Combustível, na década de 1960.

Fidel Castro, que em Agosto completará 90 anos, elogiou, em um artigo de imprensa, seu ex-companheiro de armas.

“É um magnífico companheiro, com grandes méritos históricos, ao qual todos respeitamos e pelo qual sinto um grande afecto”, declarou.

Miret foi eleito membro do Secretariado do Comité Central do Partido Comunista (PCC, único e no poder) em 1975 e 1983 incluído em seu selecto Politburo, onde esteve até 1991.

Por alguns anos foi também vice-presidente do Conselho do Estado (executivo) e do Conselho de Ministros (gabinete) desde 1976 até a chegada de Raúl Castro ao poder. Finalmente, foi liberado formalmente do seu cargo durante uma reestruturação do governo em 2009.

Seus restos foram cremados nesta sexta-feira e suas “cinzas serão expostas no Panteão dos Veteranos do Cemitério de Colombo”, em Havana, informou o Granma. (AFP)

DEIXE UMA RESPOSTA