Líder da RENAMO responsabiliza FRELIMO pelo baleamento de Bissopo

Afonso Dhlakama, líder da RENAMO, o maior partido da oposição em Moçambique (AFP)

O líder do maior partido da oposição acusa o partido no poder de ter baleado Manuel Bissopo, um alto quadro da formação. Afonso Dhlakama acusa a FRELIMO de fomentar “terrorismo de Estado”.

Nas suas primeiras declarações públicas após o baleamento por desconhecidos do secretário-geral da RENAMO, Afonso Dhlakama, falando à Lusa por telefone, disse: “Acuso o regime da FRELIMO [Frente de Libertação de Moçambique], a FRELIMO tornou-se num partido terrorista, num Estado terrorista – o partido, o regime, o Governo. Nunca vimos isto.”

Recorda-se, que Manuel Bissopo foi baleado na quarta-feira (20.01.) no bairro da Ponta Gea na cidade da Beira, centro do país, quando saía de uma conferência de imprensa para denunciar alegados raptos e assassínios de quadros da RENAMO. O seu segurança foi morto no local. O secretário-geral do partido foi hospitalizado numa das clinicas da cidade e posteriormente transferido para outra clinica na África do Sul, onde continua em observação.

Para Afonso Dhlakama, o baleamento pode levar a uma mudança no tom do discurso político e ao agravamento da atual crise política, mas ele afastou um cenário de guerra: “Posso acreditar que a situação pode deteriorar-se, mas não há guerra”.

Aumenta tensão entre a FRELIMO e RENAMO

O crime, ainda de acordo com o líder da RENAMO, foi testemunhado por beirenses “e todos ficaram furiosos, quiseram partir casas dos membros da FRELIMO”, obrigando, no seu relato, a que os dirigentes do partido dissessem “não é por aí”, citamos.

Nas últimas semanas a RENAMO e a FRELIMO têm trocado acusações de raptos e assassinatos dos seus quadros no centro do país, mas Dhlakama diz que qualquer imputação ao seu partido não passa de “mentira e propaganda”.

O líder do maior partido da oposição justifica-se: “Eu sou cristão, dirijo este partido e não temos isso de assassinar alguém, não odiamos ninguém da FRELIMO, não temos um inimigo apontado que é o tal fulano, é o regime que odiamos.”

Dhlakama “caladinho” de momento

Segundo o líder da RENAMO, o baleamento do número dois do seu partido acontece numa fase em que Dhlakama está “caladinho” e recolhido na Gorongosa e “o secretário-geral é como se fosse o presidente” que importava silenciar.

E Afonso Dhlakama insiste: “Apelo ao regime da FRELIMO para parar, é uma pouca vergonha”, sustentando que estes episódios são “a mesma tática” usada em homicídios com contornos políticos, como o economista Siba Siba Macuácua, o jornalista Carlos Cardoso e o constitucionalista Gilles Cistac.

O líder da RENAMO, declarou à Lusa que estava a falar a partir da Gorongosa, onde alegadamente se encontra refugiado desde o cerco da polícia à sua residência na Beira (22.01.), não sendo visto em público desde então.

De lembrar que antes do desaparecimento público de Dhlakama, a sua comitiva foi atacada quando regressava de um comício em Macossa e se dirigia para Chimoio, capital da provincial central de Manica. A guarda da RENAMO respondeu com tiros e entrou no mato em perseguição dos atacantes, supostamente membros da Polícia de Intervenção Rápida.

Relativamente ao ataque contra Bissopo, a União Europeia já apelou à investigação da responsabilidade pela “tendência de violência” confirmada nos recentes ataques em Moçambique. A UE acrescenta ainda que está a acompanhar de perto a situação no país. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA