Icolo e Bengo sensibiliza jovens para recenseamento militar

Jovens afluem positivamente no primeiro dia do recenseamento militar (Ilustração) Foto: Aurélio Segunda)

A Direcção Municipal de Registos, Organização do Território e da Modernização Administrativa de Icolo e Bengo, em Luanda, prevê este ano realizar campanhas de sensibilização junto das comunidades visando adesão massiva dos jovens ao recenseamento militar nesta região do país.

Falando hoje, quinta-feira, à Angop, o responsável desta direcção, Moisés Adão André, disse que este plano foi forjado devido a ausência dos jovens nos locais de recenseamento.

Segundo ele, o processo de recenseamento militar começou quarta-feira, (13) nesta municipalidade e ainda assim apenas foram recenseados até ao momento dois jovens nascido em 1998.

Como tal, sustentou, o número irrisório constitui a base para que se trabalhe mais na sensibilização nas comunidades, no intuito alertar os jovens sobre a necessidade do recenseamento e aumentar o número de rapazes com idade para o registo visando o cumprimento do serviço militar obrigatório.

Segundo Moisés André, o ano de 2015 foram recenseados 65 jovens, o que reforça ideia da necessidade da campanha de mobilização, para despertar os rapazes sobre a obrigatoriedade do recenseamento e as consequências para quem não estiver registado.

Adiantou igualmente que a Lei 1/93 de 26 de Março estabelece a prestação de serviço militar obrigatório, sendo um dever e um direito dos cidadãos angolanos, no âmbito da defesa da pátria, e ninguém pode se furtar ao seu cumprimento.

” O recenseamento militar é importante porque feita a inscrição ou registo, o jovem adquire o talão de recenseamento e com ele terá facilidade para procurar emprego, matricular-se e exercer qualquer outra actividade pública ou privada” explicou. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA