Huíla: Educação necessita de mais de três mil professores

(Foto: D.R.)

O sector da educação necessita de três mil e 95 professores para preencher vagas nos 14 municípios da província da Huíla, resultantes do abandonando, por diversos motivos, e para novas unidades construídas, anunciou hoje, sexta-feira, na Humpata, o governador João Marcelino Tyipinge.

Falando na abertura do 3ª conselho consultivo alargado da direcção provincial da educação da Huíla, informou que desde Janeiro de 2013 foram reformados muitos docentes, uns transferidos para outras províncias e a morte de outros.

Destacou ainda as vagas abertas com a construção e inauguração de novas escolas que entram em funcionamento este ano. Adiantou que nos últimos três anos foram formados mil e 459 professores ao nível médio e superior, quadros que por falta de concursos públicos aguardam colocação.

Em consequência disso, o governador adiantou que em algumas localidades da província algumas escolas estão a encerrar por falta de professores e, ao mesmo tempo, alunos são colocados fora do sistema de ensino, contrastando com os objectivos do Executivo de massificar o ensino e erradicar o analfabetismo”, realçou.

Deste modo, explicou que o governo teve que tomar algumas medidas cautelares para não acentuar este fenómeno, cancelando provisoriamente as transferências intermunicipais e provinciais, as bolsas em regime laboral, aposentação e a redução do número de professores que exercem cargos administrativos.

“A educação e o ensino são componentes determinantes, não apenas da política social do Estado , mas sobretudo porque quanto maior forem os seus níveis de organização, desenvolvimento e expansão, maiores serão as possibilidades de Angola e dos angolanos colocarem o país na senda do progresso”, lembrou.

Sublinhou que 2016 servirá de teste para as capacidades de gestão da educação e ensino diante dos poucos recursos humanos e financeiros, pois ainda é visível o número exíguo de salas de aulas para atender a demanda e reduzir ao máximo as turmas ao ar livre e crianças fora do sistema de ensino.

Refira-se que no presente ano lectivo vão funcionar mil e 826 escolas, das quais 142 construídas entre 2008/2015, que perfaz sete mil e 710 salas de aulas, onde mais de 900 mil alunos assistirão aulas ministradas por um efectivo de 18 mil e 147 professores. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA