Frelimo acusa Renamo de raptar dirigentes do partido no poder

Combatentes da Renamo a treinar nas montanhas de Gorongosa, em Moçambique em 2012. (AFP PHOTO/JINTY JACKSON)

A Frelimo, partido no poder em Moçambique, acusou este sábado, 9 de Janeiro, a Renamo, principal partido da oposição de raptar e torturas dirigentes partidários da Frelimo. Até agora não houve nenhum desmentido por parte da Renamo.

O partido no poder em Moçambique, a Frelimo acusa a Renamo principal força política da oposição de raptar e torturar cinco militantes seus em sete distritos da província de Sofala no centro do país.

Estas acusações foram feitas na cidade da Beira, pela secretária de mobilização, propaganda e organizações sociais do partido Frelimo, por Fátima Batalhão, em declarações à imprensa moçambicana.

Quando indagada pela imprensa para dar exemplos concretos, Fátima Batalhão, da Frelimo, declarou:

“Podemos citar o rapto ocorrido no dia 11 de dezembro do ano transacto; a Renamo, raptou o primeiro secretário de um dos comités de círculos do sítio de Mandja, que até o momento, não sabemos se ele está vivo, ou se está morto.”

E mais, Fátima Brandão, secretária de mobilização e propaganda Frelimo, avançou outro caso mais recente sublinhando:

“Caso mais recente, deu-se no dia 5 de janeiro, do corrente ano. A Renamo, raptou um primeiro secretário de um comité de círculo da localidade de Bebedo, com sinais de torturas.”

De notar no entanto, que até este momento, a Renamo ainda não reagiu; a polícia, esta, em Sofala, não confirma e nem desmente mas garante estar já a trabalhar no caso. (RFI)

por João Matos

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA