FMI prevê queda de 3,5% do PIB do Brasil em 2016

(AFP)

A economia do Brasil deve terminar 2016 com uma queda de 3,5% do Produto Interno Bruto, prevê o Fundo Monetário Internacional (FMI), nas projecções revisadas anunciadas nesta terça-feira.

No ano passado, o país registou um retrocesso de 3,8%. Em 2017, pode acumular um resultado estável, com crescimento zero, segundo o FMI.

Já a economia da América Latina e do Caribe deve fechar 2016 com um retrocesso de 0,3%, arrastada pelo mau desempenho do Brasil, de acordo com as previsões do Fundo.

A previsão para a América Latina e o Caribe representa uma revisão em forte baixa de -1,1 ponto percentual na comparação com as projecções do FMI de Outubro, quando o Fundo indicava uma recuperação de 0,8%. Para 2017, o FMI espera para a região um crescimento de 1,6%.

Na revisão dos números da Perspectiva Mundial do FMI divulgados em Outubro, o Brasil teve a mais expressiva revisão em queda entre as economias emergentes e as latino-americanas, com uma baixa de nada menos que 2,5 pontos percentuais.

Em Outubro, o FMI havia considerado que o Brasil terminaria 2016 com queda de 1%, mas os fundamentos pioraram e a instituição financeira apresentou a drástica revisão em baixa.

Ao analisar o caso brasileiro, o FMI destacou que a recessão, “provocada pela incerteza política em meio às sequelas” das investigações sobre denúncias de corrupção na Petrobras, “está demonstrando ser mais profunda e prolongada do que o esperado”.

“Tensões económicas”

O peso específico do Brasil no cenário contribui para derrubar as expectativas de crescimento em toda a região, segundo o FMI.

“A projecção actual aponta que o PIB agregado da América Latina e do Caribe também registrará contracção em 2016, mas com uma taxa menor que em 2015, apesar do crescimento positivo na maioria dos países da região. Isto reflecte a recessão do Brasil e de outros países em dificuldades económicas”, aponta o FMI.

No relatório, o Fundo prevê uma “melhora gradual” nas taxas de crescimento dos países que “estão passando por tensões económicas” e cita os casos de Brasil, Rússia e alguns Estados do Oriente Médio.

Ao mesmo tempo, no entanto, indica que “mesmo esta recuperação parcial projectada pode ser frustrada por novos choques económicos ou políticos”.

As economias latino-americanas de perfil exportador de commodities também podem sofrer o impacto da desaceleração na China, país que fechou 2016 com crescimento de 6,9%, o menor nível em 25 anos.

De acordo com o FMI, a “desaceleração e o reequilíbrio gradual” da economia da China, a segunda maior do mundo, é uma das “transições críticas” no cenário actual.

A súbita redução das importações e das exportações impõe ainda mais pressão sobre um mercado mundial de commodities já deprimido, e com isto afecta directamente os exportadores de muitos países, em especial Austrália e Brasil.

Dificuldades

O Brasil, principal economia da América Latina, luta há cinco anos contra uma desaceleração económica que se transformou em crise em 2015.

O país entrou em recessão no segundo trimestre do ano passado, o que reduziu sua capacidade de poupança e levou o governo a reduzir em cinco oportunidades a meta orçamentaria, que passou de um superavit de 1,2% do PIB a um deficit que pode chegar a 2%, ou seja, quase 31 biliões de dólares.

A inflação brasileira alcançou em 2015 o índice de 10,67%, o maior nível desde 2002, muito acima da meta do governo de 4,5%. Em 2014, o país fechou o ano com inflação de 6,41%.

O país também sofre os efeitos das muitas revelações sobre um gigantesco escândalo de corrupção que afecta a Petrobras, situação que provocou uma profunda crise política.

Neste cenário, a presidente Dilma Rousseff enfrenta a ameaça de um processo de destituição estimulado pela oposição.

Em um recente encontro com jornalistas, Dilma Rousseff afirmou que o maior erro cometido por seu governo foi não perceber a amplitude da crise. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA