Cuanza Norte: Divulgação do Código da Família facilita denúncia de conflitos no lar

Participantes de palestra sobre o combate à violência doméstica (Foto: Gaspar Dos Santos)

A divulgação do Código da Família no município de Cambambe, província do Cuanza Norte, tem encorajado a prática da denúncia de casos de violência doméstica afirmou, quinta-feira, a responsável direcção local do sector da Família e Promoção da Mulher, Madalena Francisco.

Em declarações à Angop, na cidade do Dondo, Madalena Francisco sublinhou que o processo de divulgação do Código de Família permitiu aumentar o número de denúncias de conflitos familiares em 2015, período em que se registou 286 queixas, contra as duzentas e 39 recebidas em 2014.

Actualmente, salientou, o sector regista com frequência a participação de vários casos de violência doméstica que transcendem a alçada familiar, não só do meio urbano, como também das zonas rurais

Referiu que entre os 286 casos que deram entrada na secção municipal de Cambambe da Família e Promoção da Mulher, em 2015, destacaram-se 29 situações de abandono de lar, 78 de incumprimentos de mesada, 15 de ofensas corporais e 10 de ofensas morais.

Outros casos, acrescentou, tiveram relação com fuga à paternidade, desalojamentos forçados, ameaças de morte, chantagem, difamação, acusação de feitiçaria e acusações de cometimento de adultério.

“O aumento das denúncias não representa um clima de tensão a nível do município, mas traduz a elevação da consciência por parte das famílias, que remetem aos órgãos competentes vários assuntos que julgam transcenderem às suas competências”, aventou.

Segundo a responsável, está em curso, desde 2013, um plano estratégico de disseminação da informação sobre o Código da Família, por via da promoção de palestras e de outros encontros com diferentes núcleos comunitários, o que tem facilitado a comunicação, incluído no meio rural.

Para materialização deste programa, realçou, o sector conta com a colaboração da Organização da Mulher Angolana (OMA) e da Promoção da Mulher na Igreja Católica (PROMAICA). (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA