Comissões Económica e para a Economia Real constituem destaque político

Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na 1ª sessão ordinária conjunta das comissões Económica e para a Economia Real do Conselho de Ministros (Foto: Francisco Miúdo)

A primeira sessão ordinária conjunta das comissões Económica e para a Economia Real do Conselho de Ministros, orientada pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, constituiu, entre outros, o destaque político da semana que hoje, sábado, termina.

Realizado no Palácio Presidencial, em Luanda, o encontro procedeu à apreciação do relatório sobre a evolução e execução de projectos estruturantes do sector da Energia e Águas, no quadro do Programa Nacional de Desenvolvimento 2013-2017.

A propósito, o titular do referido sector, João Baptista Borges, disse que o Programa Água para Todos tem, entre outras, a meta de atingir 80 porcento da população rural.

Outro destaque foi a visita de cem crianças de várias escolas pública e privadas, ligadas ao projecto pedagógico Agostinho Neto, à nova sede do Parlamento angolano, para inteirarem-se do seu funcionamento.

As crianças foram recebidas pelo presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, e percorreram as instalações da nova sede.

Nesta semana celebrou-se o 55º aniversário do massacre da Baixa de Cassanje, ocorrido a 4 de Janeiro de 1961, que impulsionou o início da luta armada de libertação nacional, no dia 4 de Fevereiro do mesmo ano.

A 4 de Fevereiro de 1961, os angolanos cansados da opressão colonial deram início a luta pela proclamação da independência, atacando a Cadeia de São Paulo e a Casa de Reclusão, em Luanda.

A independência nacional foi proclamada a 11 de Novembro de 1975, pelo primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto.

Ainda nesta semana mereceu relevo a reunião de balanço do asseguramento da quadra festiva 2015/2016, orientada pelo ministro angolano do Interior, Ângelo de Barros Veiga Tavares, que deu a conhecer a diminuição de 59 acidentes de viação durante a quadra festiva, em relação ao período anterior (2014), e o incremento de 10 mortes. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA