Chefe de Estado angolano recebe mensagem do homólogo da RDC

Presidente da República, José Eduardo dos Santos (Foto: Pedro Parente)

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, recebeu nesta sexta-feira, em Luanda, uma mensagem escrita do seu homólogo da República Democrática do Congo (RDC), Joseph Kabila.

Foi portador da missiva, cujo teor está relacionado com o estreitamento das relações bilaterais de cooperação entre os dois países, o director de Gabinete do Chefe de Estado congolês, Nehemie Mwilanya, na qualidade de enviado especial de Joseph Kabila.

À saída do encontro, questionado sobre o clima de segurança existente entre os dois países a nível de fronteiras comum, salientou que actualmente não existem problemas e que Angola e a RDC possuem laços de consanguinidade, bem como ressaltou o facto de ambos os governos trabalharem no sentido de se manter a estabilidade a nível fronteiriço para o bem-estar das populações dos respectivos países.

A fronteira entre a República de Angola e a RDC é uma linha que limita os dois territórios numa extensão de 2.551 quilómetros.

Quanto a Cimeira da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes (CIRGL), prevista para o início de Fevereiro na capital angolana, uma organização de que os dois países fazem parte e da qual Angola é presidente, Nehemie Mwilanya reconheceu o bom desempenho das autoridades angolanas na liderança da mesma, acrescentando que as entidades congolesas vão continuar a apoiar e colaborar para o seu engrandecimento.

Instado a pronunciar-se sobre a actual situação político militar reinante na RDC, o responsável congolês considerou a mesma “calma”, na sua generalidade, pese embora existir ainda alguns focos de resistência por parte do grupo rebelde ruandês ADF, que tem protagonizado acções de guerrilha em algumas zonas do leste da República Democrática do Congo.

Perante este clima, precisou que as Forças Armadas congolesas têm levado a cabo acções de combate aos grupos armados para manter o controlo do ambiente de paz e segurança das populações destas áreas. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA