CFL transporta mais de três milhões de passageiros em 2015

Comboio do CFL na Estação de Canhoca (Foto: Eliseu Veloso)

Os comboios da empresa de Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) transportaram, durante o ano transacto, três milhões, 320 mil passageiros e mais de 80 mil toneladas de mercadorias diversas no circuito ferroviário Estação do Bungo/Ndalatando/Malange.

A informação foi avançada nesta quarta-feira à imprensa, no Luínha, pelo Presidente do Conselho de Administração dos CFL, Celso Rodrigues de Lemos Rosa, no final de uma visita de constatação dos trabalhos de reposição de cinco quilómetros da linha ferroviária iniciados há 10 dias, na sequência do descarrilamento do vagão de mercadorias do comboio de passageiros de longo curso que, a 23 de Dezembro, fazia o trajecto Luanda/Malanje.

Segundo o responsável, deste número, 15 mil passageiros foram transportados diariamente pelos comboios misto e suburbano de Luanda, da Estação do Bungo a Catete, acrescentando que no mesmo período foram ainda transportados combustíveis e diversos produtos de origem agrícola, entre outros.

Sem referir-se ao volume de transportação de 2014, Celso Rosa assegurou que a direcção do Caminho-de-Ferro de Luanda alcançou, em 2015, a meta que era de transportar três milhões e 320 mil passageiros e mais de 80 mil toneladas de mercadorias diversas.

“O balanço que fazemos do ano de 2015 é positivo, a julgar pelos dados acima referidos, daí que os nossos desafios para 2016 serão maiores e passarão pela reposição de todos os meios de que dispusermos e pô-los a funcionar para o bem das nossas populações”, augurou, assegurando que o CFL conta neste momento com um universo de mil trabalhadores.

A empresa de Caminho-de-Ferro de Luanda suspendeu temporariamente a circulação dos comboios de longo curso do segmento Estação do Bungo/Ndalatando/Malanje desde 23 de Dezembro último, devido a danos provocados na linha pelo descarrilamento de um vagão de mercadorias da composição de passageiros de longo curso que fazia o trajecto Luanda/Malanje.

As obras para a reposição da circulação das locomotivas iniciadas a 10 dias decorrem a bom ritmo.

Durante a visita de constatação, o Presidente do Conselho de Administração fez-se acompanhar por técnicos do seu pelouro. Os trabalhos decorrem a 45 quilómetros da sede comunal de Canhoca, província do Cuanza Norte, e a 179 de Luanda, capital do país. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA