Carlos Dinis defende formação de novos atletas a partir das escolas

Carlos Dinis, treinador do ASA (Foto: António Escrivão)

O treinador de basquetebol Carlos Dinis defendeu hoje, no Lubango, que o processo de massificação da modalidade não é dever da federação angolana e dos clubes, mas sim do sistema de educação.

Falando à Angop, a propósito do campeonato nacional de basquetebol de sub-16, em ambos os sexos, disse que o processo deve iniciar nas escolas, através das aulas de educação física e só depois os clubes filtram os melhores através de “olheiros”.

“Mesmo assim, os clubes e a federação não se isentam de fazer formação, mas a sociedade deve saber cobrar a quem é de direito, pois este processo é movimentado pelo Ministério da Educação por possuir crianças e que devem ser bem aproveitadas”, realçou.

O treinador da equipa sénior masculina do ASA, quarta classificada do úlimo Bic Basket, referiu que as escolas têm condições para o efeito, pois o executivo quando edifica infra-estrutura escolar coloca quadras desportivas e é nesta perspectiva que se deve apostar.

Acrescentou que o país tem professores de educação física que se forem bem acompanhados podem aplicar conhecimentos básicos de basquetebol nas escolas, mas é necessário interacção entre o Ministério da Educação e a federação para que este desiderato seja materializado.

Sobre o escalão feminino, Carlos Diniz disse ser necessário que clubes incluam mais nos seus projectos este sector e que os campeonatos nacionais sejam regulares para cativar e movimentar as crianças, pois existe vontade por parte dos intervenientes da modalidade.

“Não se percebe que de 21 equipas previstas, das quais sete femininas, participem no campeonato apenas 13. Isto demonstra existir pouco interesse dos clubes, e de outros intervenientes, em desenvolver a modalidade, principalmente neste sector”, realçou.

Segundo o treinador, o país está em paz e a modalidade deve ser disputada em todo território nacional, e isto passa pela organização da sociedade, criando condições para que o basquetebol possa resgatar o patamar que tinha há mais de 20 anos.

Carlos Dinis, Apolinário Paquete e Raul Duarte ministraram segunda-feira, no Lubango, uma acção de refrescamento de árbitros, treinadores e professores de educação física, no quadro dos campeonatos nacionais de basquetebol de sub-16.

Participam na prova 13 equipas, sendo sete masculinas (1º de Agosto, Heja Sport Clube da Huíla, Desportivo da Huíla, Sporting de Benguela, Inter de Benguela, Vila Clotilde e ASA) e seis femininas (1º de Agosto, Interclube, Benfica do Lubango, Sporting de Benguela, Inter de Benguela e Formigas do Cazenga). (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA